Brasil 247: o seu jornal digital 24 horas por dia, 7 dias por semana.



Empresa de Doria roda a sacolinha para sua palestra

Fundada pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), a empresa Lide está passando o chapéu para solicitar recursos que vão bancar uma palestra do próprio Doria; em um e-mail enviado a empresários na semana passada, a Lide pede dinheiro para financiar o "almoço-debate" com líderes empresariais no dia 6 de março, no hotel Grand Hyatt, na capital paulista, com apresentação do prefeito recém-empossado; tema da palestra será: "O impacto de uma gestão eficiente na cidade de São Paulo"; conforme o e-mail, os presidentes das empresas que pagarem uma cota de "copatrocínio" de R$ 50 mil terão o direito de se sentar à mesa principal com Doria. Para especialistas, apesar de o prefeito ter se afastado das empresas, a captação de dinheiro privado por parte da Lide para financiar sua palestra ainda se enquadra em um caso de conflito de interesses

Temer quebra promessa e reduz saque do FGTS

Menos de um mês após liberar o saque de contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), Michel Temer já se prepara para voltar atrás; na ocasião, Temer afirmou que a medida liberaria R$ 30 bilhões do fundo; dinheiro ajudaria os trabalhadores a quitar dívidas e ainda auxiliaria a retomada da economia; agora, o Planalto estuda criar um mecanismo para restringir o número de trabalhadores que poderão sacar o FGTS; para blindar Temer do desgaste causado pelo recuo, aliados ensaiam o discurso de que, se a restrição vier, incidirá sobre um número pequeno de pessoas, preservando trabalhadores endividados e de baixa renda que são o alvo principal da medida; medida, no entanto, é aceno também para as construtoras e incorporadoras imobiliárias já o FGTS financia a construção de imóveis e projetos de saneamento básico