América latina

Bolívia quer que Brasil pague mais pelo gás natural que vende à Petrobras

O ministro de hidrocarbonetos e energia da Bolívia diz que o país está procurando "o melhor preço" porque agora está perdendo dinheiro

www.brasil247.com - Bandeira da Bolívia
Bandeira da Bolívia (Foto: Reuters)


Agência Regional de Notícias - O governo boliviano reconheceu quinta-feira que o corte de 30% nos embarques de gás natural para a Petrobras estatal brasileira na semana passada foi porque o Brasil não deu "a resposta que se esperava" a sua proposta de renegociar um preço melhor para o metano que vende.

O ministro boliviano de Hidrocarbonetos e Energia, Franklin Molina, considerou que o preço acordado no adendo assinado durante o governo interino de Jeanine Áñez (2019-2020) não é favorável à Bolívia e está causando danos econômicos à estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), de acordo com um comunicado de imprensa oficial.

"Tentamos, por escrito e formalmente, solicitar a renegociação do contrato com a Petrobras. Nosso presidente da YPFB (Armin Dorgathen) tem estado no Brasil, procurando melhores condições em termos de preços de gás. A resposta não foi a esperada e, em vista desta situação, temos trabalhado no contrato, onde uma de suas cláusulas declara que, se uma das partes não estiver satisfeita com o preço, essa parte pode buscar a renegociação", explicou Molina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele disse que o governo anterior mudou o ponto de entrega do gás e transferiu a taxa de entrega para a YPFB. "Agora que a YPFB cobre o custo de transporte até o ponto de entrega. Nossa empresa perde cerca de US$ 70 milhões por ano e, se somarmos os baixos custos do gás, o resultado não é favorável para o país, e é por isso que vamos procurar melhores condições para vender nosso gás. A Bolívia tem que buscar um preço melhor para seu gás natural, melhores condições e um mercado melhor", acrescentou o ministro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"É um dever renegociar as condições deste adendo, porque quem o assinou era um governo golpista que não se preocupava com os interesses do Estado (...) A Bolívia procura um preço melhor para seu gás natural, melhores condições e um mercado melhor", concluiu Molina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na terça-feira, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro acusou a Bolívia de reduzir em 30% o fornecimento de gás natural a seu país para enviá-lo à Argentina. "A Bolívia cortou 30% do nosso gás (natural) para entregá-lo à Argentina. Como a Petrobras também agiu neste assunto? Parece que tudo está orquestrado. É um negócio que me parece ser orquestrado para favorecer você-sabe-quem", disse o presidente brasileiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email