América latina

Equador: sobe para três o número de mortos em protestos dos indígenas

Há 92 feridos, 94 detidos e quatro desaparecidos desde 13 de junho, segundo a Aliança de Organizações de Direitos Humanos (AODH)

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Santiago Arcos)


247 com ARN - Três pessoas morreram e quase cem ficaram feridas em 11 dias de intensos protestos contra o governo do presidente do Equador, Guillermo Lasso, devido ao aumento dos preços dos alimentos e combustíveis.

Na cidade de Tarqui, localizada na cidade andina de Cuenca, uma pessoa morreu na quarta-feira, segundo a Aliança de Organizações de Direitos Humanos (AODH).

>>> Morre manifestante indígena durante protestos no Equador

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Marcelino Villa, de 38 anos, foi encontrado com uma cápsula de gás lacrimogêneo ao seu lado, acrescentou a organização no Twitter. De acordo com um comunicado da polícia, o homem morreu de "cirrose hepática" no "contexto das manifestações".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A notificação oficial indica ainda que os hematomas que o corpo apresentava, no abdômen e no joelho direito, “seriam de dias atrás”.

De acordo com o balanço feito nesta quinta-feira pela AODH, na segunda e terça-feira morreram mais duas pessoas, havendo 92 feridos, 94 detidos e quatro desaparecidos desde 13 de junho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Policiais detidos

O comandante geral da Polícia Nacional, Fausto Salinas, informou que os 18 policiais cujo "desaparecimento" foi denunciado nesta quarta-feira pelo ministro do Interior, Patricio Carrillo, foram encontrados e passam bem, com exceção de dois que permanecem detidos por indígenas comunidades. 

Os dois policiais foram capturados na noite de terça-feira durante confrontos na cidade de Puyo, capital da província de Pastaza, onde manifestantes indígenas incendiaram uma delegacia e um banco, saquearam empresas e atacaram propriedades públicas e privadas.

A Polícia pediu à Cruz Vermelha Internacional que mediasse com as comunidades locais para confirmar que os dois agentes estão em boas condições, para posteriormente proceder à sua libertação, informou Salinas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ministros do Interior e da Defesa ao Parlamento

A bancada da União para a Esperança --do ex-presidente Rafael Correa-- solicitará na sessão desta quinta-feira da Assembleia Nacional a presença do Ministro do Interior, Patricio Carrillo, e da Defesa, Luis Lara, para que informem sobre as intervenções da Polícia Nacional e das Forças Armadas durante a greve nacional.

Eles também serão convocados pela Comissão de Proteção Integral de Crianças e Adolescentes para informar sobre as medidas adotadas pelo governo para garantir a integridade das crianças no contexto dos protestos.

Enquanto isso, Fernando Villavicencio (Partido Socialista Equatoriano), presidente da Comissão de Fiscalização da Assembleia Nacional, apresentou uma queixa ao Procurador-Geral por rebelião e terrorismo gerados durante a greve. "Pessoas ligadas a estruturas criminosas , membros da assembleia, atores sociais e políticos que financiaram a greve e organizaram o golpe fracassado devem ser investigados", postou Villavicencio em sua conta no Twitter.

Por que a mobilização?

O motivo desta greve nacional por tempo indeterminado é protestar contra o alto preço dos produtos de primeira necessidade, a precariedade dos hospitais públicos, os preços dos combustíveis, a ausência de créditos para fomentar a produção, entre outros.

Surgiu da mão da  Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador  e de outros 53 grupos, que entenderam que o povo “deveria se levantar depois de esgotadas as instâncias de diálogo com o governo”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email