13 de Maio e o racismo estrutural

A data de hoje, 13 de maio, não é apenas de comemoração pelo dito fim da escravidão no Brasil, mas, principalmente, de reflexão

www.brasil247.com -
(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)


Éramos umas 10 pessoas interagindo, conversando, nas varandas que circundavam a piscina de uma pousada em Paraty (RJ). Tetê, minha esposa, a única negra.

Num dado momento um dos hóspedes saiu à procura da Tetê, para, acho eu, complementar uma conversa ou pedir uma informação referente ao trabalho dela, figurinista, já que todos estávamos nos preparando e decidindo que roupa usaríamos na festa de casamento de um amigo da Tetê.

- Cadê aquele mulata que estava aqui?, quis saber ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Ela não é mulata não – retruquei. Ela é preta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E tem muito orgulho de sua negritude. Ela e a filha Carol, minha enteada.

Não é mulata, nem moreninha, nem “de cor” ou qualquer outro eufemismo usado para “identificar” uma pessoa negra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Desculpe – disse ele – é que hoje em dia, com tanto patrulhamento, a gente fica meio sem saber como falar...

Simples, meu caro, trate uma pessoa como uma pessoa, independentemente da sua cor de pele.

Se fosse branca, certamente você não perguntaria sobre “aquela moça branca que estava aqui”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse diálogo serve, entre tantas outras situações semelhantes, para mostrar que a data de hoje, 13 de maio, não é apenas de comemoração pelo dito fim da escravidão no Brasil, mas, principalmente, de reflexão.

Nos últimos 10, 20 anos, avançamos bastante na questão do debate racial – cotas nas universidades, espaço na mídia e na publicidade, por exemplo – mas o chamado racismo estrutural e o preconceito estão espalhados pelo país. Sabemos todos que o 13 de maio de 1888 não acabou de vez com a escravidão e a perseguição ao povo negro no Brasil. Casos de racismo, de injúria racial, acontecem a toda hora, não só no Brasil, mas em várias partes do mundo, como em estádios de futebol.

“Temos que ensinar esta nação a ser antirracista”, brada a historiadora Ana Flávia Magalhães Pinto no jornal O Globo de hoje.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso. Já está mais do que na hora de repensarmos o racismo e o preconceito que nos habita e que nos degrada.

Não dá para falar de democracia sem falarmos de democracia racial.

Discriminar uma pessoa pela cor da sua pele, da sua etnia, é simplesmente um absurdo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email