25 de janeiro: Dia Internacional do Crime da Vale

Realmente não foi acidente o ocorrido em Brumadinho. Foi um crime, cujo assassino se lambuza em uma lama recheada de minérios e dinheiro. A Vale é a culpada. A Vale é a assassina



Dois anos se passaram e a lama continua a soterrar vidas e esperanças. Doze milhões de metros cúbicos que devastaram o ambiente outrora admirável e levaram famílias inteiras. Depois de Mariana – que este ano completará 6 anos –, Brumadinho. Em comum, um mesmo culpado: a Vale.

Pessoas morrendo soterradas vivas, enquanto privatizam os lucros e socializam o caos e o sofrimento. O rio Doce, amarga o luto, a indiferença e o esquecimento. Salga-se com lágrimas que caem.

Compram espaço nos meios de comunicação para alardear que é uma empresa comprometida com o meio ambiente e a sustentabilidade. Sob o eufemismo plantado com apoio da mídia, insistem em dizer que foi um acidente. Mas não foi. Foi um crime!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como mágica, fazem sumir com as vítimas; manipulam de forma sórdida e sorrateira às tantas Marias e Josés que foram enterradas debaixo da lama do capital de suas barragens. Indenizam com valores que julgam suprir uma vida a menos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Negociam o inegociável; etiquetam vidas que se foram e recorrem quando avaliam o valor absurdo. Quanto vale uma vida para a Vale? Como compensar 259 famílias soterradas? Qual valor a Vale acha que vale as 11 vidas desaparecidas? Para a Vale, nada valem! 

(E a Vale, o que realmente vale?)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vítimas reais, transformadas em números que logo sumiram e deram espaço para propagandas politicamente corretas que colocam a Vale e seus acionistas como santos. Comunidades inteiras sumiram. Índios, quilombolas, já marginalizados e ignorados pelo capital, agora sumiram de vez.

Dizem continuar atuando para reparar os danos causados pela ganância, tentando limpar sua imagem atolada pela lama, manipulando as massas e ignorando as vidas. Querem comprar o silêncio e fazer com que tudo seja esquecido. 

O imbróglio na Justiça continua a passos lentos, desgastando cada vez mais o pouco de paciência e esperança que essas pessoas ainda alimentam. Enquanto isso, a Vale comemora sua recuperação do valor de mercado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto clamamos por medidas mais urgentes, que garantam o mínimo de segurança, o desgoverno genocida de BolsoNazi, somente em seu primeiro ano de mandato, dobrou o número de barragens de mineração sem atestado de estabilidade que compete à Agência Nacional de Mineração. 

Um pária que se elegeu sob o mantra “Família acima de tudo, Deus acima de todos”, parece agora emplacar novo slogan, sendo conivente com tais criminosos: “Lucro acima de tudo, lama em cima de todos”.

Até quando nos indignaremos a essa política predatória e neocolonialista? E não adianta falar que a natureza é vingativa...ela é reativa; à espera de nossa mobilização além de hashtags e tristezas momentâneas. É preciso dar um basta a esse comportamento primitivo e extrativista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Realmente não foi acidente o ocorrido em Brumadinho. Foi um crime, cujo assassino se lambuza em uma lama recheada de minérios e dinheiro. A Vale é a culpada. A Vale é a assassina.

Esse é um artigo que não tem a pretensão de trazer dados atualizados da situação de Brumadinho, mas apenas recordar Brumadinho e as pessoas que lá um dia habitaram e viveram. É um artigo para ecoar as vozes pela verdadeira Justiça, para não deixar que tudo isso caia no esquecimento. É preciso lembrar, se indignar, resistir e lutar contra as mazelas do capital.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email