A centralidade da pauta democrática na conjuntura fascistizante

O Brasil tem uma cultura autoritária. Um autoritarismo difuso, do baixo clero. O do “guarda da esquina”. Por isso é fundamental que não se disfarce de normalidade aquilo que em democracias não é normal e que possamos colocar a pauta democrática à frente de todas as outras

(Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Entramos no ano de 2020 com o quadro político inalterado. As últimas pesquisas de avaliação do governo federal de 2019 convergiram para um “ótimo/bom” pouco abaixo de um terço, um “regular” na mesma proporção e um “ruim/péssimo” levemente acima de um terço.

Ou seja, a coalizão social que elegeu Bolsonaro está íntegra, mantendo fiel o eleitor do primeiro turno. O problema é que a centro-esquerda e a centro-direita insistem na ilusão de confundir o ruído das disputas internas do bolsonarismo com sinais de desmoronamento do governo.

Agora, vejamos. Na pesquisa VEJA/FSB aparece que a maioria dos eleitores prefere a democracia, mas ao mesmo tempo não excluem a possibilidade (40%) de uma ruptura autoritária no Brasil. O Datafolha, no entanto, revelou que 65% dos entrevistados nunca ouviu falar do Ato Institucional nº 5, o AI-5, apontando também que 62% consideram que a democracia é a melhor forma de governo, que 12% acham a ditadura melhor em certas circunstâncias (??) e 22% acham que, simplesmente, tanto faz.

Talvez, as próximas pesquisas pudessem ir mais a fundo sobre o tema da democracia, pois é possível conter duas visões distintas no imaginário popular, dado o caráter fascistizante da conjuntura: a democracia como é o sistema vigente, de freios e contrapesos. Ou a democracia da eleição direta de um “César”. Ou de um Fuhrer.

Historicamente, movimentos totalitários tem como tática destruir a democracia por dentro, pela via eleitoral. Para isso, reduzem o processo democrático à realização de eleições e consultas populares.

O Brasil tem uma cultura autoritária. Um autoritarismo difuso, do baixo clero. O do “guarda da esquina”. Por isso é fundamental que não se disfarce de normalidade aquilo que em democracias não é normal e que possamos colocar a pauta democrática à frente de todas as outras.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247