A classe golpista vai ao paraíso (fiscal)

Eu acho meio estranho que o Ministro da Fazenda, que é também o chefe da Receita Federal, Henrique Meirelles, sacerdote-mor do culto dos adoradores do deus mercado, tenha dinheiro no paraíso fiscal, nas Bermudas, onde, inclusive, você pode ter mil meios legais, lá, de escapar de imposto

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante conferência em Brasília, Brasil 23/8/2017 REUTERS/Adriano Machado
Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante conferência em Brasília, Brasil 23/8/2017 REUTERS/Adriano Machado (Foto: Eric Nepomuceno)

(originalmente publicado no Nocaute)

Não é proibido ter conta no exterior, investir dinheiro no exterior, desde que você, evidentemente, declare à Receita Federal e possa explicar a origem do dinheiro. Agora, cá para nós, eu acho meio estranho que o Ministro da Fazenda, que é também o chefe da Receita Federal, Henrique Meirelles, sacerdote-mor do culto dos adoradores do deus mercado, tenha dinheiro no paraíso fiscal, nas Bermudas, onde, inclusive, você pode ter mil meios legais, lá, de escapar de imposto. Quer dizer, esta é a confiança do Henrique Meirelles na política econômica que ele impõe aqui no Brasil.

É um governo estranho. Estranho. Por exemplo. Uma figura. A gente acha que nunca mais vai surpreender, mas, caramba, surpreende. Luislinda Valois. Desembargadora, baiana, aposentada. Esta senhora, ministra dos Direitos Humanos, deus do céu. Direitos Humanos. Comete a asneira máxima de dizer que ganhar 33 mil e 400 reais para ser ministra e desembargadora aposentada equivale a trabalho escravo. Ela está lá, evidente, porque é protegida do cafajeste provinciano mineiro Aécio Neves da Cunha. E sabe o que acontece depois de ela dizer essa bizarrice? Nada. Nada. Continua ministra dos Direitos Humanos.

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Ives Gandra da Silva Martins Filho, membro da Opus Dei, que é aquela seita ultra, hiper conservadora católica que floresceu nos tempos de Francisco Franco na Espanha – o pai dele aliás, e também com o mesmo nome evidente, Ives Gandra Martins, usa cilício, cilício amarrado na perna para sofrer. Este camarada preside a entidade máxima da Justiça do Trabalho no Brasil. Eu não entendo o disparate dele. Ele diz que é preciso reduzir direitos trabalhistas, é isto, reduzir direitos trabalhistas, para fazer surgir novos empregos. Bom, num governo cujo ministro do Trabalho quis abolir a Lei Áurea, num país assim, nada pode mais surpreender.

A gente acha que não. Vamos ver. Debaixo daquela soberana peruca, o ministro Luiz Fux, da Suprema Corte de Justiça do nosso país, Supremo Tribunal Federal, resolve dar palpite, dar palpite em causas que ele vai votar. Quer dizer. Toda instituição deste pais está em frangalhos. Está em frangalhos.

Quer dizer, é uma Corte Suprema que teve um comportamento poltrão, covarde, na hora de assegurar a lei de anistia a torturador, a estuprador, a assassino, agentes do Estado durante a ditadura militar, teve uma atitude omissa, cúmplice, no golpe que destituiu uma presidente legitimamente eleita, e ele agora fica dando palpite.

Agora, o seguinte, no ano que vem ele vai presidir o Tribunal Superior Eleitoral e para ele já está dito. Lula não pode ser candidato. E ninguém faz nada.

Michel Temer, o ilegítimo, o usurpador, assina un projeto de lei para levar a leilão a Eletrobras. E já avisou: toda empresa de capital misto poderá ser leiloada. Eu vou dar três exemplos de empresas de capital misto: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, e claro, a Petrobras. Ninguém faz nada.

A gente tem um Congresso, eu não canso de dizer, que tem a pior legislatura desde a volta da democracia. A de mais baixo nível ético, a mais burra, a mais bizarra, a mais corrupta. Ninguém faz nada. Onde, meu deus, este país vai parar? Ninguém faz nada.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247