A diferença real de Lula no Oriente Médio defendendo Estado Palestino e negociando desarmamento atômico do Irã

O papel de Lula como líder internacional reconhecido pelos maiores países do mundo pode ser mensurado com sua iniciativa de intermediar com a Turquia uma negociação de desarmamento e/ou redução do aparelhamento atômico do Irã em bases muito melhores do que anos depois a OTAN e EUA firmaram com os iranianos

A diferença real de Lula no Oriente Médio defendendo Estado Palestino e negociando desarmamento atômico do Irã
A diferença real de Lula no Oriente Médio defendendo Estado Palestino e negociando desarmamento atômico do Irã

A presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, expõe o Brasil para o mundo com uma nova faceta das relações exteriores do Pais, ultimamente subordinadas aos Estados Unidos, Trump e agora Israel numa postura infinitamente oposta do que produziu o ex-presidente Lula em visita oficial a Israel, Palestina e Jordânia, em março de 2010 – cuja missão empresarial dela participamos.

Muito longe da soberania nacional reconhecida, por exemplo, pelo ex-presidente Barack Obama, que à época chamou Lula de "o Cara", Bolsonaro reduz a importância impositiva do Brasil e vai gerar a maior crise do agrobussiness nacional – o mesmo que investiu e o apoio imensamente.

Em Israel, Lula foi recepcionado pelo presidente Shimon Perez o tratando como líder internacional. À época, ele se encontrou com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no Parlamento (Knesset) numa situação muito diferente da atualidade.

Diante de 120 deputados israelenses, Lula fez discurso em uma sessão na qual o presidente do Knesset, Reuben Rivlin, chegou a utilizar o martelo que o diplomata brasileiro Oswaldo Aranha usou na sessão de 1947 em que a ONU aprovou a Resolução 181 de Partilha da Palestina em dois Estados, um árabe e outro judeu.

A COERÊNCIA DE LULA

Diante de 200 mega judeus do mundo, numa palestra histórica no KING Hotel, em Jerusalém, Lula lembrou a importância do Brasil na criação do Estado de Israel tendo o brasileiro Oswaldo Aranha comandado todo processo, por isso com a autoridade de ser do Pais que consolidou nova fase judaica no Mundo, ele ali se apresentava pedindo a todos o compromisso de criação do Estado Palestino.

Lula ainda lembrou de que os negócios entre os dois países deveriam ser bem maior daí sua disponibilidade para a ampliação de investimentos mútuos.

O ex-presidente no dia seguinte foi ovacionado em recepção na Palestina diante de empresários e lideres políticos do Oriente Médio pela sensatez e coragem de ter posição firme em defesa do Estado Palestino.

Dia seguinte, Lula e comitiva estiveram com rei Abdullah II, da Jordânia, ampliando os negócios bilaterais.

A visita de Lula foi a primeira de um chefe de Estado brasileiro à região de Israel e dos territórios palestinos desde a viagem do imperador Dom Pedro II à região, em 1876.

O DESARMAMENTO ATÔMICO DO IRÃ

O papel de Lula como líder internacional reconhecido pelos maiores países do mundo pode ser mensurado com sua iniciativa de intermediar com a Turquia uma negociação de desarmamento e/ou redução do aparelhamento atômico do Irã em bases muito melhores do que anos depois a OTAN e EUA firmaram com os iranianos.

Em síntese, Lula é referência de liderança importante para os tempos de paz que tanto ajudou a promover envolvendo América Latina, Oriente Médio e África se credenciando como um dos mais conceituados lideres globais, preso e perseguido pelo capital selvagem, que não sabe conviver com a democracia e a melhor partilha do pão com tolerância aos diferentes.

Lula se conduz sem igual e faz tempo precisa ser liberto para manter sua missão de bem-feitor para homens, mulheres, LGBTs do mundo.

Ele se mantém indispensável.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247