A dignidade da pessoa humana

No Brasil do bolsofascismo, desde 2019, caminha-se cinicamente para a destruição de conquistas civilizacionais em torno das garantias da dignidade da pessoa humana alcançadas no período em que o PT esteve à frente do governo

www.brasil247.com -
(Foto: Gustavo Henrique Machado / Estudantes NINJA)


No princípio os humanos buscavam entender o mundo por meio de explicações mitológicas. O período histórico a partir do qual a humanidade ocidental rompe com a mitologia do mundo antigo se estende do século VIII a II a. C. Neste período as religiões começam a desenvolver sua dimensão ética, rompendo com rituais de sacrifícios humanos e venerações que dantes as presidiam. Pelo exercício da razão, e não da tradição, são produzidas a novas explicações sobre o mundo. Tal fato possibilitou a busca de uma compreensão mais profunda sobre os humanos. Consequentemente, inicia-se a ideia de uma igualdade, marcando a história, sobre a qual as comunidades de indivíduos concebem o outro como ser humano, passando a emergir a preocupação com a definição da pessoa humana. (COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2010).

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 contempla em seu artigo 1º, inciso III, com status de cláusula pétrea, a seguinte Lei: A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado democrático de Direito e tem como fundamentos:

III – a dignidade da pessoa humana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, a dignidade da pessoa humana é fundamento da Democracia brasileira. Engloba direitos fundamentais – coletivos e individuais – nos quais, entre estes, estão inclusos os direitos de personalidade, ou seja, de o indivíduo ser plenamente uma pessoa, tendo sido consagrados pela Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, na Assembleia Geral da ONU e no Pacto Internacional das Nações Unidas de 1966, entre outros pactos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tais direitos caracterizam-se pela natureza privada, de cunho subjetivo, tendo por escopo valorizar e garantir a individualidade de cada ser humano, ressaltando sua integridade física, moral e psicológica, sem os quais não é possível aos humanos viverem dignamente. A doutrina jurídica moderna preconiza e disciplina, no corpo do Código Civil, como direitos absolutos, destinados a resguardar a eminente dignidade da pessoa humana. (GOMES, Orlando. Introdução do direito civil. Rio de Janeiro: Forense, 1974).

Além disso, os direitos de personalidade são compreendidos também como sendo atributos inatos a todo e qualquer indivíduo que se constituem em bens jurídicos assegurados e disciplinados pela ordem jurídica imperante. São considerados absolutos por darem ao seu titular a garantia de respeito destes direitos por todos os demais indivíduos, uma eficácia de obediência e cumprimento por parte de todos os membros da sociedade. O titular deste direito pode exigir de toda a comunidade que o respeite. Os direitos de personalidade não são oponíveis apenas contra as pessoas, mas também contra o Estado, que tem o dever jurídico de protegê-los. (FIÚZA, César. Direito civil. Belo Horizonte: Editora Del Rey, 2006).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Importante destacar que quando violados tais bens jurídicos, independentemente de causar prejuízo material, impõe-se a obrigação de reparação, do dano moral, psicológico e físico, caracterizado como forma de diminuir o prejuízo da vítima e de penalizar o agressor (lesante), inclusive com o caráter preventivo de impedi-lo a novos atentados.

Portanto, a dignidade humana é no nosso sistema jurídico um comando dotado de superioridade hierárquica. Os humanos têm uma dignidade ontológica e devem ter condições de existência compatíveis com essa dignidade, incluindo-se a liberdade de se desenvolverem como pessoas individuais, a possibilidade de participarem de deliberações coletivas, bem como considerações materiais que as livre da indignidade. Toda pessoa humana é digna. Essa singularidade fundamental e insubstituível é ínsita à condição do ser humano, qualifica-o nessa categoria e o põe acima de qualquer indagação. (BARCELLOS. Ana Paula de. A eficácia jurídica dos princípios constitucionais. Rio de Janeiro: Renovar, 2008).

Mas é preciso dar um passo a mais. Perceber a dignidade da pessoa humana como algo relacional, a partir das sentenças que os sujeitos produzem em seus relacionamentos intersubjetivos. Como lembra a conhecida frase do filósofo Ludwing Wittgesntein, “os limites de minha linguagem denotam os limites do meu mundo”. O que antes era uma subjetividade possuidora do objeto cognoscível, a partir da filosofia da linguagem, este lugar é cedido à intersubjetividade, ou seja, o conhecimento só pode ser adquirido a partir da relação sujeito-sujeito e não mais sujeito-objeto, porque é na linguagem que o mundo se desvela. O mundo está na linguagem. A linguagem é a condição para estarmos no mundo. (OLIVEIRA, Manfredo Araújo. Reviravolta Linguístico-Pragmática na Filosofia Contemporânea. São Paulo: Edições Loyola, 2006).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Consequentemente, a dignidade da pessoa humana é uma ligação moral e jurídica que vincula sujeitos que se reconhecem reciprocamente em seu pertencimento comum à condição humana, ligando-os em um relacionamento igualitário. Dito de outra forma, todos os direitos humanos fundamentais retiram seu fundamento da dignidade de as pessoas serem humanos com humanos. A dimensão intersubjetiva da dignidade humana é de suma transcendência para precisar o sentido e o alcance dos direitos fundamentais que encontram nessa dimensão seu princípio fundamentador, numa abertura para o outro, para o diferente, com a adoção de um catálogo de direitos fundamentais para a inclusão de minorias políticas.

Em seu livro “Para educar crianças feministas” (Companhia das Letras), a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie afirma a urgência de se estabelecer conversações honestas sobre outras maneiras de educar nossos filhos e filhas visando à preparação de um mundo mais justo para mulheres e homens. Sua primeira premissa feminista, convicção firme e inabalável, é a seguinte: “Eu tenho igualmente valor. Não “enquanto”. Não “se”. Eu tenho valor igual. E ponto final”. Para a autora é preciso ser mulheres completas, não bastando apenas reduzir-se à condição materna. Chimamanda comenta no livro: “Nunca se desculpe por trabalhar. Você gosta do que faz, e gostar do que faz é um grande presente que você dá à sua filha. Mas acima de tudo, concentre-se em continuar ser uma pessoa completa. Tire tempo para si mesma. Atenda a suas necessidades pessoais”.

No Brasil do bolsofascismo, desde 2019, caminha-se cinicamente em sentido contrário, mediante a destruição de conquistas civilizacionais em torno das garantias da dignidade da pessoa humana alcançadas no período em que o Partido dos Trabalhadores esteve à frente do governo federal (2003-2015). Os golpistas arquitetaram a tomada do poder (2016), sob a batuta do poder midiático-jurídico regido pelas mãos de Sérgio Moro e Rede Globo, baseados na mentira, mistificação e na adoção de atitudes criminosas perpetradas pelo ex-juiz de Curitiba. O resultado pode-se constatar a céu aberto: crescimento exponencial da cultura do ódio, da violência contra pessoas pretas e pobres, da intolerância de gênero, além do ritmo assustador da concentração de riqueza, do empobrecimento da população, da destruição dos direitos trabalhistas e previdenciários, da entrega do patrimônio público ao Capital Financeiro Internacional.

A disputa eleitoral que vai ser jogada em 2022 concentra-se na luta entre aqueles que defendem a dignidade da pessoa humana contra os abutres que, pela hipocrisia e pela mentira, ferem com unhas e dentes a maioria da população brasileira, sem pena nem dó, pela ideologia violenta e fascista em andamento.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email