Setores da esquerda fazem "frente" com quem não tem compromisso com a democracia

Valter Pomar critica a participação de integrantes da esquerda em ato virtual com golpistas: "não percebem que estão fazendo uma 'frente' com quem não tem nenhum compromisso com a democracia. Pois se aqueles 'aliados' tivessem algum compromisso com a democracia, fariam autocrítica na prática e defenderiam pelo menos o impeachment"

www.brasil247.com - Fernando Henrique Cardoso, Luciano Huck e Santos Cruz
Fernando Henrique Cardoso, Luciano Huck e Santos Cruz (Foto: Divulgação)


Confirmaram presença Michel Temer, Fernando Henrique, Luciano Huck, José Sarney, general Santos Cruz, Bruno Araújo (presidente do PSDB), Tasso Jereissati, Cristovam Buarque, Marta Suplicy, Roberto Freire, José Aníbal, outros e outras.

Confirmaram presença em um ato pelo impeachment?

Não!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confirmaram presença em um ato pelo Fora Bolsonaro?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não!

Confirmaram presença em um ato “em defesa da vida, da vida e proteção social”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Parece piada.

Mas não é piada.

Pois também confirmaram presença neste ato Marina Silva, Ciro Gomes, Márcio França, Flávio Dino e muitos comunistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para eles, é a materialização prática da Frente Ampla. Portanto, estão fazendo algo coerente com o que propõem, concordemos ou não com a tal “frente ampla”.

Mas também confirmaram presença Fernando Haddad e alguns petistas, além de Boulos e Freixo.

Para estes, é a expressão da “teoria das duas frentes”, uma frente ampla pela democracia e uma frente de esquerda para lutar pelo futuro. Demonstrando que tanto no PT quanto no PSOL, seguem convivendo duas táticas na luta contra o bolsonarismo.

Estes setores do PT e do PSOL não percebem que estão fazendo uma “frente” com quem não tem nenhum compromisso com a democracia. Pois se aqueles “aliados” tivessem algum compromisso com a democracia, fariam autocrítica na prática e defenderiam pelo menos o impeachment.

No que isso vai dar?

Pode não dar em nada, como não deram em nada, até agora, ensaios como aquele patético manifesto Juntos em torno da “lei e da ordem”.

Mas também pode dar em alguma coisa.

Por exemplo, numa saída com Mourão.

E na cooptação daqueles setores de esquerda (inclusive do PT) que parecem ansiosos por fazer, em 2020, aquilo que os setores consequentes da esquerda não aceitaram fazer entre 1980 e 1989: ser a quinta roda do carro da burguesia-dita-liberal.

PS: 15h28, a jornalista Monica Bergamo informou que Michel Temer e José Sarney desistiram de participar.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email