A indignação viral

Pouco se importando com a boiada, com índio ou dunas, o vírus trabalha pesado na infecção do citoplasma das células presidenciais, mas o governante tem médicos a sua disposição 24 horas por dia, o que torna o seu efeito menos devastador



_É só uma gripezinha! 

E o vírus cansado de ser achincalhado, menosprezado, desmoralizado pelo chefe da nação, resolve se vingar. Afinal, foram muitos os meses em que no maior despudor, o projeto mal construído de genocida andava sem máscaras, apertava a mão de velhinhos no meio da rua, se comprazia com a dor alheia junto a figuras estranhas , que ele alimentava todas as manhãs, com discursos execráveis, no chiqueirinho em frente ao Palácio do Planalto.

Inicialmente, o microscópico maldito trabalhou incessantemente para que o sujeito tivesse uma febre. E assim foi feito. Depois uma coriza e corpo mole, também deu certo. Sua ira não media esforços para devastar aquele que havia deixado sua fama, em ruínas. O vírus não se conformava com a incredulidade daquele ser sobre o seu poder, afinal já havia matado milhares de pessoas no Brasil, paralisado o mundo inteiro, mudado a rotina do planeta, mas aquele ser saído do submundo para a cadeira presidencial brasileira, insistia em desmoralizá-lo. _Ele me paga! Pensou o miudinho perigoso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Acontece que o vírus não contava que o seu hospedeiro com faixa presidencial, não apresentava a menor credibilidade diante da nação e do mundo; as dúvidas da eficácia do pequeno de tentáculos, naquele corpo putrefato de alma, foram recorrentes. Jornais do mundo inteiro duvidaram da doença do chefe da nação. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Era uma roda que girava à luz da dúvida. O vírus não tinha credibilidade para o tosco governante e o tosco governante não gozava de insuspeição perante o mundo. Ninguém confiava em ninguém. _Que enrascada eu fui me meter! Dizia o virulento viajante. Enquanto o duelo entre os dois continuava, a população se distraia e a boiada passava. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Boi, boi , boi, boi da cara preta” (...) O chefe fakenews sanciona  o Projeto de Lei 1142/2020, que reconhece os povos indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais como grupos vulneráveis durante a pandemia de covid-19 e determina ações emergenciais para protegê-los do novo coronavírus. A população abismada se perguntava: o presidente havia sido tocado pelo amor ao próximo? Deu uma trégua a sua sanha genocida? Que nada! Era muito bom para ser verdade.No mesmo projeto, vetou trechos do texto que prenunciam que o Governo Federal seja obrigado a fornecer acesso a água potável, distribuição de cestas básicas e distribuição gratuita de materiais de higiene, limpeza e de desinfecção para as aldeias, além de garantir a oferta emergencial de leitos hospitalares e de terapia intensiva, e a obrigação de comprar ventiladores e máquinas de oxigenação sanguínea para essas comunidades. Não mais surpreso, o povo percebeu que os instintos da besta fera não haviam se dissipado.Em Fortaleza, aproveitando-se da presença do assassino nanico, que apavora e ocupa a população, e da fala do Ministro do Meio Ambiente, o dono da boiada; o Conselho Gestor aprova a demarcação de um loteamento, nas dunas de Sabiaguaba, área de preservação ambiental, da cidade litorânea. No local, deverá ser construído um conjunto de prédios, num espaço equivalente a 50 campos de futebol.

Pouco se importando com a boiada, com índio ou dunas, o vírus trabalha pesado na infecção do citoplasma das células presidenciais, mas o governante tem médicos a sua disposição 24 horas por dia, o que torna o seu efeito menos devastador. Enfurecido, a pensar em nova estratégia contra o presidente, volta a se ocupar com a população brasileira. E lá se vão mais de 71.000 mortes em terras brasileiras.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email