A justiça que permite a celebração do golpe de 1964

Os jornais erram nos títulos. Confundem o Tribunal Regional Federal da 5ª Região com a Justiça. Ainda que fosse o Supremo Tribunal Federal, deveriam sempre, com mais propriedade, nomear o tribunal de onde veio a decisão, jamais confundi-la com a Justiça

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os jornais desta semana trazem os títulos : 

“Justiça autoriza governo Bolsonaro a manter celebração do golpe de 1964“, ou

“Justiça acolhe recurso do governo federal por direito de comemorar o golpe militar de 1964 “, ou mesmo 

“Justiça dá aval para governo Bolsonaro celebrar o golpe de 1964”... 

Em primeiro lugar, os jornais erram nos títulos. Confundem o Tribunal Regional Federal da 5ª Região com a Justiça. Ainda que fosse o Supremo Tribunal Federal, deveriam sempre, com mais propriedade, nomear o tribunal de onde veio a decisão, jamais confundi-la com a Justiça. E aqui, neste primeiro erro, estendemos a ressalva para além dos jornais: não se deve por coerência filosófica, científica, chamar de justiça o que leis, costumes, tempo do poder judiciário determinam, até porque a escravidão também já foi abrigada pela “justiça”. Hoje, neste momento, os trabalhadores continuam explorados com o aval da  justiça.  

Isso posto, é preciso reconhecer que na imprensa avançamos. Não faz muito, chamavam de Revolução o golpe que instalou a ditadura no Brasil. Mas ainda aqui, o avanço é relativo, porque velhos preconceitos se misturam às novas redações. Se não, vejam o que exibe o corpo da notícia na Folha de São Paulo: “O golpe de 1964 deu início à  ditadura militar, que se estendeu até 1985. Houve tortura e mortes, censura à imprensa e fechamento do Congresso Nacional”.  Muito bem! Mas foi mais que a pressa informativa de duas linhas resumida: prisão de governadores em pleno exercício, cassação de mandatos, desaparecimento de pessoas, corrupção silenciada, forjamento de notícias, censura à musica, ao teatro, ao cinema, deformação do ensino público, exibição nas tevês de presos políticos que, torturados, se declaravam arrependidos dos seus “crimes”. Numa palavra, o terror de Estado.  

Acredito que haveria maior poder informativo se as notícias levantassem os votos anteriores e o currículo dos senhores do Tribunal Regional Federal da 5ª Região que fizeram “Justiça”. A saber, estaríamos melhor informados se soubéssemos quem são os quatro desembargadores que cassaram a liminar, com especial destaque do relator Rogério Fialho Moreira. Então compreenderíamos quem faz a senhora Justiça que abriga assassinatos e cassa o voto popular.   

Mas aquilo que as notícias não dizem nem falam, bem podemos tentar uma recuperação com a voz da consciência na literatura. Quero dizer, de modo mais próximo do que conheço: a corajosa advogada Mércia Albuquerque foi modelo da brava Gardênia Vieira em “A mais longa duração da juventude” em uma página:  

“À sua frente surge ela própria, a bela e ardente advogada Gardênia Vieira. Ela não é alta, nem suave ou feminina, quero dizer, naquele sentido de bailarina delicada de porcelana. Pelo contrário, em vez de amparável, porque a sua fina louça podia quebrar, de Gardênia vem uma força moral que abriga, como tem abrigado mais de uma pessoa, físico e alma torturada no Recife. Mas além da fortaleza moral, de onde vêm a sua beleza e feminilidade? Era preciso vê-la para notar o que não se revela nos retratos. Gardênia olha firme e direto, como poucas mulheres usam e ousam olhar fundo em um homem, e nem por isso desperta o desejo mais carnal de sexo. De imediato, não. O desejo de amá-la viria espiritualizado, se podemos falar assim, quando à sua pequena altura, de olhar abrasante, associamos a coragem e os cadáveres que viu e denunciou, e o mundo abjeto contra o qual se indigna. Bem sei, ainda aqui não sou claro. Quero dizer, o amor à mulher Gardênia Vieira vem não só misturado ao respeito à pessoa, mas em essência à sua visitação aos cadáveres de socialistas torturados”. 

Ou em sua identidade real, quando inscrevi seu depoimento em “Soledad no Recife”, nestas linhas:  

“Soledad estava com os olhos muito abertos, com uma expressão muito grande de terror. Eu fiquei horrorizada. Como Soledad estava em pé, com os braços ao lado do corpo, eu tirei a minha anágua e coloquei no pescoço dela.  

O que mais me impressionou foi o sangue coagulado em grande quantidade. Eu tenho a impressão de que ela foi morta e ficou deitada, e a trouxeram depois, e o sangue, quando coagulou, ficou preso nas pernas, porque era uma quantidade grande. O feto estava lá nos pés dela. Não posso saber como foi parar ali, ou se foi ali mesmo no necrotério que ele caiu, que ele nasceu, naquele horror”. 

No Recife, a Justiça atendia pelo nome da advogada Mércia Albuquerque. Mas na ditadura quase sempre chegava tarde, porque a história vivida não era a que nós queríamos. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email