A munição de Cunha contra Dilma acabou

"Se fosse um duelo do Velho Oeste, ao amanhecer, Cunha seria o pistoleiro que deu seu último tiro – usou a sua bala de prata – e não tem mais munição", diz o colunista Alex Solnik, ao comentar a abertura de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); "Caberá a Aécio Neves e sua trupe encarar mais essa: voltar a ficar de bem com quem ficaram de mal dizendo que ele não prestava", diz Solnik; "A oposição vai ficar do lado do vilão. E o Brasil do lado da mocinha"

"Se fosse um duelo do Velho Oeste, ao amanhecer, Cunha seria o pistoleiro que deu seu último tiro – usou a sua bala de prata – e não tem mais munição", diz o colunista Alex Solnik, ao comentar a abertura de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); "Caberá a Aécio Neves e sua trupe encarar mais essa: voltar a ficar de bem com quem ficaram de mal dizendo que ele não prestava", diz Solnik; "A oposição vai ficar do lado do vilão. E o Brasil do lado da mocinha"
"Se fosse um duelo do Velho Oeste, ao amanhecer, Cunha seria o pistoleiro que deu seu último tiro – usou a sua bala de prata – e não tem mais munição", diz o colunista Alex Solnik, ao comentar a abertura de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); "Caberá a Aécio Neves e sua trupe encarar mais essa: voltar a ficar de bem com quem ficaram de mal dizendo que ele não prestava", diz Solnik; "A oposição vai ficar do lado do vilão. E o Brasil do lado da mocinha" (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Se fosse um duelo do Velho Oeste, ao amanhecer, Cunha seria o pistoleiro que deu seu último tiro – usou a sua bala de prata – e não tem mais munição.

E ele nem acertou direito em quem queria acertar a julgar pelas primeiras reações públicas. Pois não se viu sangue. A conquista da Copa do Brasil pelo Palmeiras foi mais comemorada que a derrota de Dilma.

E o motivo é muito claro: o pistoleiro é um vilão, todo mundo sabe disse, seja petista, tucano ou moicano.

Se alguma coisa ficou muito clara de alguns meses para cá nessa novela chamada “Impeachment” que ocupou todos os dias de 2015 é quem é o mocinho e quem é o bandido.

Talvez porque os brasileiros sejam viciados em novela sabem também identificar o caráter dos personagens.

E ninguém quer ficar ao lado do vilão, é óbvio.

Caberá a Aécio Neves e sua trupe encarar mais essa: voltar a ficar de bem com quem ficaram de mal dizendo que ele não prestava.

A oposição vai ficar do lado do vilão. E o Brasil do lado da mocinha.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247