A ONU e a Classe Média

O Brasil voltou à vergonha internacional de uma época em que sua elite se recusava a abolir a escravidão. Um traidor com características vampíricas é o presidente do Brasil, um ex-ator pornô é a voz mais proeminente da direita golpista, e o político, mais popular e decente, está prisioneiro sem crime, e sem provas. Temos a suspeita que isso não é verdade, porque se assemelha mais a um pesadelo da guerra

A ONU e a Classe Média
A ONU e a Classe Média (Foto: Guillermo Gómez)

O Brasil voltou à vergonha internacional de uma época em que sua elite se recusava a abolir a escravidão.

Um traidor com características vampíricas é o presidente do Brasil, um ex-ator pornô é a voz mais proeminente da direita golpista, e o político, mais popular e decente, está prisioneiro sem crime, e sem provas. Temos a suspeita que isso não é verdade, porque se assemelha mais a um pesadelo da guerra.

Quando os brasileiros viajarem pelo mudo, eles o lembrarão de que seu país tem uma situação semelhante à que teve África do Sul com Mandela.

Sempre que a justiça acelera para danificar os direitos de um cidadão, ela se bate como um carro.

As vacas sagradas da imprensa não informaram da resolução da ONU e, portanto, muitas pessoas da classe média descobrirão essa nova notícia pela mídia estrangeira.

Esta classe reacionária é incapaz de compreender o mundo ao seu redor, ela ficou com a cabeça cheia de barulho e ódios pré-diluvianos, preconceitos impostos por uma imprensa reacionária, mentirosa e panfletária.

Esta classe não entende como um Prêmio Nobel como Perez Esquivel, um escritor como Noam Chomsky e um músico como Chico Buarque podem ficar (em suas posturas políticas) ao lado de simples trabalhadores braçais da cana de açúcar.

Grande parte da classe média foi prejudicada pela análise de revistas de cabeleireiras e visões medíocres da TV Globo. Eles aceitaram a educação como se fosse uma rotina da memória e adquiriu uma cultura efêmera de repetidor mecânico de conceitos armados, concepções previamente mastigadas.

Nós os ouvíamos em festas repetindo as frases vazias que eles escutam da televisão, expressões que estiveram feitas pelos profissionais da propaganda.

Todas as suas conquistas acadêmicas estão relacionadas à rotina de um papagaio. É por isso que esses pássaros humanos da memória mecânica não conseguem entender a opinião da ONU à favor de Lula.

Temos uma sociedade na qual muitos pastores religiosos perderam seu cristianismo, onde os jornalistas não se interessam pela verdade, e juízes que não obedecem a Constituição brasileira.

Mas parte da nossa classe média perdeu não só a sua cordialidade básica, mas todas as suas referências culturais, razão pela qual se limita a repetir o ódio dos grandes especuladores financeiros.

Agora, parte da nossa classe média está do lado de um escritor pornô e contra as decisões da ONU. O que afirmo aqui tem um nome que as línguas do mundo não souberam adjetivar, porque a condição é tão baixa, tão rastejante que só se pode experimentar nos campos de concentração das mais perversas ditaduras, ou seja, nos submundos das civilizações.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247