A pandemia que só acaba quando termina

"Não adianta só uma cidade ficar livre do vírus, nem só um estado, nem só um país", afirma Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia. A pandemia, diz ele, "só vai acabar quando acabar em todo o mundo". "A covid-19 é como a Buzina do Chacrinha: só acaba quando termina", acrescenta

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Não quero bancar especialista no assunto, mas apenas como observador atento dos acontecimentos e, baseando-me no que aconteceu na pandemia imediatamente anterior a essa, a de 1918, cheguei a algumas conclusões que gostaria de compartilhar com o leitor e a leitora, pois, assim como toda a humanidade a toda hora me pergunto quando e como isso vai acabar.

A gripe espanhola acabou, ao menos no Rio de Janeiro, depois que a grande maioria da população ficou contaminada. Dos 900 mil habitantes, 700 mil. Começou em setembro, terminou em novembro. Foi pa-pum. Não teve máscara, nem recomendação de lavar as mãos, nada disso. Nem existia ministério da Saúde no Brasil. Os remédios recomendados, e disputados a tapa, eram canela em pó e leite condensado.

Eu sei que a covid-19 não é uma gripe, como se informou no início, mas uma inflamação que pode afetar vários órgãos, não só, mas inclusive os pulmões, e contamina de forma fulminante e traiçoeira, mas pelo que ouvi dos discursos da OMS e de vários infectologistas, a lógica da “imunidade de rebanho” permanece.

Embora há alguns dias a organização tenha afirmado que será impossível atingi-la de forma global e logo depois informado que imunidade de 25% será suficiente para extinguir o virus e atualmente estamos em 10%.

De tudo o que a humanidade já aprendeu sobre esse vírus, em oito meses de convívio, está claro que: (1) ele sobrevive enquanto passa de um ser para outro, seja humano ou animal (digo isso porque tudo indica que de hospedeiro de um animal chegou ao homem); (2) não há medicamento para ele e (3) ele só irá embora depois que não encontrar mais corpos onde se hospedar.

Ou seja: o vírus comanda o espetáculo. Ele mata multidões. Ele pauta o mundo. Ele manda em nós, não nós nele. Temos que obedecer às suas ordens, não ele às nossas. Nós temos de respeitar o vírus que não nos respeita.

Só ele é capaz de façanhas inimagináveis, tais como mudar o carnaval de Salvador de fevereiro para julho de 2021.

Sendo assim, se é verdade que o vírus desaparece quando, no máximo, de 60% a 70% da população não é mais suscetível a ele, seja devido a já ter sido contaminado, estar protegido com máscara etc ou ter sido vacinado, arrisco-me a pensar que se 20% de uma cidade já tiver sido contaminada (a reinfecção chega sem tanta gravidade assim, já se sabe), 20% vacinada e 20% se proteger rigorosamente, não haverá mais onde o vírus se hospedar nessa cidade.

Mas aí tem outro problema: se a cidade continuar recebendo visitantes de outras cidades, seja do país ou do exterior, poderá receber novas visitas do vírus.

Por isso não adianta só uma cidade ficar livre do vírus, nem só um estado, nem só um país – a não ser que as fronteiras aéreas, terrestres e marítimas sejam fechadas por um período indeterminado, o que é inviável.

A pandemia não vai acabar quando acabar só em São Paulo ou só no Brasil; só vai acabar quando acabar em todo o mundo.

Não posso prever – nem ninguém – quando isso vai acontecer.

Antes de julho de 2021 certamente não.

A covid-19 é como a Buzina do Chacrinha: só acaba quando termina.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247