A política Macro precisa inserir o Nordeste

Seja com ou sem Conselhão, o Governo Dilma precisa construir medidas que de fato reinsiram o Nordeste no Plano de Desenvolvimento Sócio – Econômico do País. No mais é reprodução de teses e teses

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Nos últimos dias, há uma alta expectativa no Brasil sobre o que é possível construir através de Políticas de Incentivos para a retomada do crescimento econômico no País, tanto que tem reunido representantes das diversas áreas da Iniciativa privada visando, de comum acordo com o Governo Dilma, construir a nova Pauta positiva de metas.

O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social criado no Governo Lula está desativado há dois anos porque, efetivamente, o Governo não teve tempo para respirar absolutamente nada em face da crise política instalada desde outubro de 2014. Este contexto engessou a gestão Dilma Rousseff com efeito quase paralisante.

Agora, surge nova expectativa e ânimos com objetivo claro de superar a agenda negativa disseminada pela Grande Midia brasileira ampliando ainda mais a falta de saídas e/ou alternativas ao Brasil.

NORDESTE É FONTE DA SAÍDA

Todas as medidas postas em discussão e aprovadas pelo Conselhão certamente que buscam efetivar medidas de reaquecimento econômico a partir de setores da iniciativa privada, a partir da Construção Civil e da Indústria Nacional em queda livre diante dos efeitos da Lava Jato, mas sem Políticas inclusivas de redução das desigualdades regionais não terão o mesmo efeito com sua existência.

Em sendo assim, o Brasil precisa reforçar a importância da economia advinda do Sudeste e Sul, entretanto, sem estender mais fortemente as medidas para expansão das Obras de Infraestrutura, investimentos voltados ao Semi-árido Nordestino no campo dos recursos hidricos, por exemplo, mais educação, C&T e incremento com nova partilha do ICMS – cuja resistência de São Paulo trava tudo na recomposição regional, há de se concluir que os resultados passam a ser focados e restritos.

HORA DE REPENSAR O FOCO NO PIB

O Nordeste brasileiro formado por 9 estados com uma população acima dos 54 milhões de brasileiros precisa ampliar seu PIB (Produto Interno Bruto) porque não se resolverá a questão da desigualdade social brasileira mantendo as riquezas nordestinas em menos de 14% do PIB nacional.

Seja com ou sem Conselhão, o Governo Dilma precisa construir medidas que de fato reinsiram o Nordeste no Plano de Desenvolvimento Sócio – Econômico do País.

No mais é reprodução de teses e teses.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247