A primeira lição

Mostra-se penoso um general já entrado em anos, se permitir baixar o nível e, desconhecendo a sua própria necessidade de ouvir uma “primeira lição”, substituir a reflexão pela ofensa, esforçando-se, com isso, em macular a imagem de uma categoria corajosa (educação), digna e capaz de cumprir com suas funções apesar dos baixos salários e de condições



O atual governo efetivamente não gosta da educação. Não somente escolhe ministros despreparados, com currículos impróprios, como não lhe agrada o trabalho de uma categoria que ensina e, ensinando, critica. Esquecem essas autoridades o que se deve fazer em sala de aula e, em vez de apoiar com verbas, torpedeia as iniciativas em favor de um magistério forte e bem constituído. Numa de suas manifestações recentes, o general Augusto Heleno, na esteira do ex-ministro Abraham Weintraub, de triste memória, se associou aos ataques aos professores, chamando-os de “maconheiros”. Não parece, com efeito, haver compostura (uma das consequências de um bom sistema de ensino) nos que passam hoje pelos quadros do governo. Negar o outro, desqualificá-lo, ofendê-lo, difamá-lo virou lugar comum entre nossos dirigentes. Nada mais distante do que aquilo que de fato se realiza em sala de aula com anos de dedicação. 

A situação de penúria presente no plano cultural se faz acompanhar do desprestígio propagado de cima para baixo, com a ideia de diminuir verbas e desaparelhar a existente rede de magistério de ensino básico e superior. A forma como essa gente frequenta a imprensa, escrita ou televisiva,  preocupa, como se ninguém ali, com efeito, houvesse usufruído de mestres competentes... E sem dúvida, como em todas as profissões, no magistério também militam bons e maus. Talvez devamos desculpar pessoas como Weintraub e Heleno pelo modo como se transformaram em cavaleiros de tristes figuras.

Comentários como esses nos trazem à memória o filme Todas as manhã de mundo (Tous les matins du monde), de Alain Corneau. A obra diz respeito a dois compositores da música barroca francesa do século XVII: Sainte-Colombe e Marin Marais. Ansioso por dominar os segredos da viola da gamba, o segundo chega a se esconder em baixo de um barracão para ouvir o mestre praticar. Descoberto, revela-se finalmente para o grande instrumentista e se senta diante dele para desvendar seus segredos. Marin Marais já tocava na corte de Luís XIV, mas conhecia as suas limitações. Olhando para o grande músico e se imaginando humilde, diz para ele, dando a entender que não desejava sobrecarregá-lo: “Gostaria de ter uma última lição”. Sainte-Colombe, devolve-lhe a mirada, suspira e responde: “Vou lhe dar a primeira lição”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quem lida com o aprendizado não ignora que o mais culto dos homens, sendo realmente sábio, reagiria como Sócrates, apenas expressando que nada sabe. Arrogância e conhecimento se mostram incompatíveis. Só os ignorantes arrotam saber. E tropeçam ao primeiro sinal de pretensão. Infelizmente, quando o chefe expõe diante do público as falhas de sua formação, estimula os outros a lhe imitar as atitudes. Daí a sucessão de mazelas que, na ponta do sistema, a população, envergonhada, assiste cotidianamente, exibida pela mídia. No plano internacional, não estamos bem e nos perguntamos até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mostra-se penoso um general já entrado em anos, se permitir baixar o nível e, desconhecendo a sua própria necessidade de ouvir uma “primeira lição”, substituir a reflexão pela ofensa, esforçando-se, com isso, em macular a imagem de uma categoria corajosa, digna e capaz de cumprir com suas funções apesar dos baixos salários e de condições, às vezes, extremamente desfavoráveis. Alguém deveria lhe soprar que precisava voltar aos bancos escolares e, pelo menos, numa primeira lição, aprender a se comportar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email