A relação da imprensa com Bolsonaro e a Síndrome de Estocolmo

"Qual é o próximo passo da escalada violenta de Bolsonaro contra o jornalismo? De nota de repúdio em nota de repúdio, as perspectivas são as mais sombrias", escreve Bepe Damasco

www.brasil247.com - Bolsonaro passeia em Roma
Bolsonaro passeia em Roma (Foto: Alan Santos/PR)


Síndrome de Estocolmo é o estado psicológico particular em que uma pessoa submetida a um tempo prolongado de intimidação passa a ter simpatia e até mesmo nutrir sentimentos de amor e amizade pelo seu agressor.

Qualquer semelhança dessa síndrome com a relação entre os veículos de comunicação brasileiros e Bolsonaro pode não ser mera coincidência.

Veja só: como todos sabem, neste domingo (31), em Roma, seguranças de Bolsonaro agrediram fisicamente profissionais da Folha e da Globo, os dois principais grupos de mídia do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Abre parênteses: toda solidariedade aos jornalistas covardemente agredidos. Fecha parênteses.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas na manhã desta segunda-feira, 1º de novembro, ao consultar os sites UOl (Folha) e G1(Globo), constatei que a notícia da agressão desapareceu do UOL, enquanto no G1 caiu para irrelevância da 18º notícia do topo do site para baixo.

A Globo soltou a costumeira nota de repúdio logo depois do episódio, cujo destino inexorável, a exemplo das outras, será a gaveta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estava na cara que a falta de reação adequada às ofensas rotineiras de Bolsonaro aos profissionais de imprensa levaria a agressões físicas. E agora? Qual é o próximo passo da escalada violenta de Bolsonaro contra o jornalismo?

De nota de repúdio em nota de repúdio, as perspectivas são as mais sombrias.

A julgar pela tibieza das respostas dos grupos de mídia, seus profissionais seguirão expostos a riscos cada vez maiores de serem feridos com gravidade, ou coisa pior.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro, durante o espetáculo grotesco diário em seu cercadinho, em frente ao Palácio Alvorada, já ameaçou dar soco na boca de repórter, mandou jornalista procurar a mãe para comprar vacina e disse que uma profissional estava querendo “dar o furo”.

Contudo, a mídia segue dando palanque para esse festival de ataques à liberdade de imprensa, grosserias, agressões verbais, ameaças e manifestações explícitas de machismo e misoginia, bem típicas do caráter imundo de Bolsonaro. 

Só existe cercadinho porque a imprensa o cobre diariamente. Contudo, por razões que vão da sabujice à falta de vergonha na cara pura e simples, passando pelo compromisso com a política econômica de Bolsonaro, nunca passou pela cabeça da direção dos grupos de mídia o boicote a esses shows de horrores protagonizados por Bolsonaro.

Bastaria o simples gesto de não mandar seus profissionais para a cobertura do cercadinho para que a palhaçada perdesse o sentido e morresse rapidamente de inanição.

Termino com duas perguntas e uma resposta óbvia:

  1. Será que, depois dos socos e pontapés distribuídos contra seus jornalistas, a mídia comercial vai aderir ao impeachment de Bolosonaro?
  2. Será que depois do que aconteceu em Roma a imprensa deixará de passar pano para Bolsonaro, como faz ao negar que ele cometeu crime de genocídio durante a pandemia?

Duvido.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email