A tempestade não findou

www.brasil247.com - Thiago de Mello
Thiago de Mello (Foto: André Argolo/Divulgação)


No seu belo poema “Aprendizagem no vento”, Thiago de Mello vaticina: “o vendaval findou, /agora é só o vento, /soprando a sua ferocidade”. Falava de adversidades que iam além do possível, além da política, deixando um rastro de telhados ocos. Parece incrível que tenhamos vivido todas as agruras do mundo e ainda precisemos enfrentar mais, como se cumpríssemos uma condição de inesgotáveis dificuldades. O poema evoca o hoje, depois do amanhã, caminhando para o depois de depois de amanhã. Em meio a uma epidemia que mudou nosso temperamento e nos atingiu em cheio, com seus desdobramentos, nós nos vemos vitimados por uma debilidade inaudita. Nela, encontramos os obstáculos que se interpõem à nossa convivência e o próprio princípio da condição humana: a ideia de fraternidade. Como não podemos nos tocar em presença, muito menos nos abraçar ou declarar ao pé do ouvido a nossa solidariedade, resta-nos pouco, quase nada a comunicar. Claro que, enquanto brasileiros, levamos, de sobrecarga, um governo de hostilidade contra tudo e contra todos, incapaz de trabalhar com as noções de justiça e de cumprimento do dever. No auge da Covid-19, manifestava-se contra a vacinação, exatamente como atualmente, no surto do Ômicron, não simpatiza com a aplicação dos imunizantes para as crianças.

De fato, sempre que a situação apertava, até um tempo atrás, desfrutávamos da companhia de amigos, vizinhos, compatriotas, com os quais nos juntávamos para cumprir a vocação de resistência e assumir a luta antes que a tempestade passasse. Entre nós, agora, somando-se aos estragos conhecidos, seguindo-se a uma seca feroz, assistimos a inundações que levaram de roldão gente da Bahia, de regiões de Minas e pedaços do Norte. É uma população que perdeu as casas, enquanto Bolsonaro pescava nas praias de Santa Catarina, avesso à simples expressão da caridade em qualquer ideologia. É evidente que o vendaval, ao contrário do que profetizara o poeta, não findou e que não lidamos com ventos. 

O tamanho da catástrofe lembra Kant e seu conceito de sublime. Este, dizia ele, é o sentimento que os homens têm quando, abrigados, testemunham um grande acidente da natureza: um maremoto, um terremoto... Frente ao evento, sentimo-nos pequenos e frágeis, mas, pela consciência de sermos pequenos e frágeis, elevamo-nos às dimensões extraordinárias do desastre e voltamos a nos afirmar. É possível que os ventos a que se refere Thiago de Mello tenham a ver, como Fênix, com a sorte de que nos ergamos das cinzas. Se assim for, talvez retornemos ao projeto que nos reconstituir como humanos, voltando a nos abraçar novamente, depois de superar a luta contra a praga.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O cinema, o teatro, as escolas, as universidades, as arenas esportivas, espaços de convivência, despertavam o que havia de melhor em cada sociedade. Os exercícios on-line, não obstante necessários na vastidão da crise, conservam-nos como fios de esperança. Sem eles, ficaríamos mais do que sós: em total isolamento. No entanto, as notícias correm. Há brisas alvissareiras soprando do Norte para o Sul e do Leste para Oeste. Elas anunciam novidades, uma espécie de restauração, permitindo, sobretudo, que sejamos humanos. Quando isso acontecer, esperemos que saibamos nos orientar pelos convidativos caminhos da esperança. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email