A tímida e tardia campanha do Ministério da Saúde

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


O banner publicitário do Ministério da Saúde (imagem acima) sugere que o país tem certa coordenação nacional no campo comportamental contra a Covid-19. Pede que os cidadãos usem máscara, evitem aglomerações, mantenham distanciamento. Nada mais razoável, ao que parece.

A campanha informativa, contudo, além de tardia, é tímida. A gravidade da situação brasileira, a escalada geométrica de contaminações e mortes, o colapso hospitalar e a lentidão da vacinação requerem uma ação comunicacional incisiva, algo como “cumpra o isolamento social ou corra enorme risco de se contaminar e morrer”.

O tom da peça é absurdamente leve, adequado a um surto de resfriado. De todo modo, vai contra as pregações presidenciais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sabe-se que Jair não dá autonomia aos setores de comunicação do Executivo – chegou a censurar publicidade do Banco do Brasil. Por que, neste momento, o presidente fala uma coisa e a Saúde, ainda que de forma canhestra, diz outra?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fato é que Jair esperneia, exonera e nomeia, mas pouco se importa com rotinas administrativas. Perdido na complexidade da máquina pública, absorto na insanidade, atua apenas quando sua sobrevivência política – e a dos filhos – está em risco, ou quando o Centrão, que hoje o sequestra, exige. De resto, fala exclusivamente para gente que o enxerga como o Messias que veio salvar o Brasil do comunismo – sim, essa gente existe.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por sua régua moral, não haverá vergonha em contradizer o próprio Ministério da Saúde na live de quinta ou no cercadinho dos puxa-sacos. Ouvirá os aplausos dos mesmos, a cada dia mais tímidos.

De cada fala presidencial pode-se extrair uma quebra de decoro e uma afronta à razão e à Constituição. A cada pronunciamento de Jair, mais o Brasil afunda no ridículo perante o mundo civilizado – não há interpretação aqui, só fatos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente não compreende a economia, a sociedade, a diversidade, a arte, a ciência, a natureza, a política. Seus seguidores, idiotas úteis, também não compreendem nada disso. Personificam o oposto do que se chama de sabedoria popular: constituem a ignorância popular, e orgulham-se dela por contrapor-se, a ignorância, à lógica cartesiana que os diminui como seres pensantes.

Pouco importa o banner do Ministério da Saúde. Para a manada bolsonarista só valem os insultos que saem da boca do “mito”. Aos demais restará perguntar: por que o governo nos recomenda tudo isso só agora, depois de um ano de pandemia?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email