A tragédia que vivemos hoje no Amazonas foi anunciada, mas o governo não quis ouvir!

Culpar a população, além de ser fácil e simplificador, ignora e retira a responsabilidade e responsabilização do atual governo estadual (e também federal)

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Muitas pessoas dizem principalmente nas redes sociais que a população amazonense está se portando de forma equivocada, que não entendeu a gravidade da crise sanitária que a assola, que não se protege do novo coronavírus e que, em última instância, é a responsável direta pelo grande número de infectados, pelo eminente colapso do sistema de saúde e pelas vidas ceifadas pelo vírus. 

É muito fácil culpar a população amazonense pela atual situação complicada em que ela se encontra. Culpando-a, você retira a responsabilidade do governo federal e estadual, ambos que justamente possuem, e não a população, os instrumentos e as ferramentas necessárias (decretos, fiscalizações, responsabilizações e até campanhas de sensibilização/conscientização) para implementar/programar de forma efetiva o distanciamento social, o uso de máscaras e até mesmo o lockdowm. Culpar a população amazonense é retirar dos governos que aí estão as suas responsabilidades.

Por outro lado, ignoram-se também os exemplos dados por esses governos, sobretudo o governo federal que tratou a pandemia com desdém (contrário ao isolamento social, ao uso de máscaras, etc.), cuja imagem registrada, e também emblemática, é a do presidente Jair Bolsonaro causando aglomerações e não usando máscara. Nesse sentido, qual o recado que ele vem passando para a população em geral? Aliás, ele verbaliza constantemente que a melhor vacina para a sociedade brasileira é o contato com o vírus. E se há hoje o infeliz e chocante número de 200 mil mortos, “e daí”? Há esse estímulo persistente do governo federal e de seus apoiadores em desconsiderar os cuidados necessários que a população deve ter no enfrentamento ao vírus. Diria mesmo que existe uma propaganda ao contrário, de normalidade e contato direto com o vírus.

PUBLICIDADE

No caso do Amazonas, tanto na primeira onda, mas especialmente nesta segunda onda que estamos vivenciando, de cor roxa – a cor da morte –, infectologistas e profissionais da área de saúde alertaram para a gravidade que poderia surgir com uma segunda onda na região. Um desses profissionais foi um pesquisador da Fiocruz chamado Jessem Orellana, que em fins de setembro e início de outubro de 2020 sugeriu um lockdowm para conter a circulação do vírus. Não foi ouvido pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, que, na ocasião, negou a segunda onda. Esse negacionismo será que tem haver com o apoio dado pelo governador a Jair Bolsonaro?

De qualquer forma, entre vacilações e idas e vindas do governo do Amazonas no combate ao vírus mortal, foi necessário o judiciário local mandar fechar, através de determinação judicial, as atividades não essenciais no estado. Em virtude de tudo isso, estamos vendo hoje pessoas próximas e queridas partindo, e cenas tristes de pessoas sendo amontoadas em leitos nos corredores das unidades de saúde do estado e, até mesmo, sendo atendidas e acomodadas no chão destas unidades. Já há, pelo menos, quatro centenas de pessoas na fila para a UTI e leitos clínicos. É triste demais tudo isso! 

PUBLICIDADE

Essa tragédia que vivemos hoje no Amazonas foi anunciada, mas o governo não quis ouvir!

Culpar a população, além de ser fácil e simplificador, ignora e retira a responsabilidade e responsabilização do atual governo estadual (e também federal).  

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email