A única saída é ocupação das ruas

A única maneira de enfrentar a campanha de aniquilamento do Brasil e da classe trabalhadora é procurar o sindicato ao qual se é ligado e somar esforços na organização e mobilização para restituir direitos que estão sendo tirados desde Temer. Não há outra saída

(Foto: Carolina Antunes - PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Chegou ao Congresso Nacional um grau mais elevado da supremacia do capital sobre o trabalho, com a imposição de um secular atraso nas relações entre os dois. A proposta da Carteira Verde/Amarela está embutida na MP 905, uma verdadeira salada de competências, que vão do 13º, passando por férias, à dispensa de registro profissional. O referido instrumento é mais uma etapa na transformação do Brasil num mero entreposto comercial de outras nações, especializado na produção e exportação de bens primários, como óleo cru, soja, ferro. As refinarias por exemplo, estão subutilizadas. O Brasil está enviando petróleo para ser refinado no exterior, quando poderia criar empregos ao longo de uma extensa e complexa cadeia produtiva, além de desenvolver tecnologias, alavancar a economia e voltar a ter projeção internacional. Infelizmente, o Brasil está nas mãos de um inepto e de um apostador de bolsa de valores.

A carteira terá a duração de dois anos, para oferecer trabalhos que paguem R$ 1.497 a jovens de 18 a 29 anos. Pela modalidade de contratação, os empresários deixarão de recolher uma série de contribuições, como os 20% da Previdência, que foram conquistadas pelos ancestrais desses jovens, para quem a alíquota do FGTS passará de 8% para 2% e, a sua multa, de 40% para 20%. O governo diz que as condições devem ser acordadas entre os trabalhadores e a empresa. Com uma crise gigante de desemprego, os jovens vão se submeter a condições de trabalho superadas há muito superadas. O desprezo e o ódio de Bolsonaro e Paulo Guedes pelo Brasil e pelos pobres não tem limites. Para compensar o que os patrões deixarão de contribuir, o governo vai retirar 7,5% de quem recebe auxílio-desemprego. Favorece os ricos tirando dos miseráveis.

Paulo Guedes tem muita bravata. A contumaz grosseria e o desprezo pelo debate honesto tornam impossível a discussão com quem tergiversa, não responde as questões e agride quem desqualifica seus argumentos. À luz da razão, é impossível demonstrar que essas políticas farão o Brasil voltar a produzir e a crescer. Desde o início do governo, nada anunciado foi cumprido. Os propalados empregos criados são informais. É a exploração de um exército de mão de obra que se submete para dar mais dinheiro a quem já tem o bastante. Porém, a classe trabalhadora não tem essa clareza, principalmente porque está afastada do melhor espaço que a democracia criou para organizar a luta contra a exploração, os sindicatos. É sabido que estes têm problemas de gestão e de representatividade. Porém, não é se desfazendo, mas, sim, participando deles que se vai alterar as suas estruturas e torná-lo moderno, transparente e digno de quem representa, trabalhadores organizados e mobilizados.

O baixíssimo nível de politização da população brasileira é uma de suas características marcantes. Porém, há uma significativa parcela da sociedade que sabe o que está acontecendo, mas não dá o braço a torcer. Tudo por orgulho de não reconhecer que foi ludibriada por um complexo e bilionário sistema de comunicação, que inoculou, em quem aceitou, um ódio pela esquerda, mas, principalmente pelo PT. A relutância é o espaço por onde Bolsonaro e Guedes subtraem o Brasil. Essa postura ajuda em nada, o País. A imprensa comercial, de propriedade dos bancos, continuará sua propaganda de destruição das empresas nacionais, acusando-as de tudo quanto o que há de pior. A única maneira de enfrentar a campanha de aniquilamento do Brasil e da classe trabalhadora é procurar o sindicato ao qual se é ligado e somar esforços na organização e mobilização para restituir direitos que estão sendo tirados desde Temer. Não há outra saída.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247