A Vice-Presidência da República não pode ser a antessala do golpe

Fato é que, sem Lula, não há qualquer possibilidade de vencer o golpe de 2016

www.brasil247.com - Dilma Rousseff, vítima de um golpe em 2016, e o ex-presidente Lula
Dilma Rousseff, vítima de um golpe em 2016, e o ex-presidente Lula (Foto: Cláudio Kbene)


Dizem por aí que o PT quer imitar Jesus e fazer milagres. Cristo ressuscitou Lázaro de Betânia após 4 dias de falecido. Lula afirmou que quer fazer mais e melhor, então decidiu ressuscitar Geraldo Alckmin de Pinda para ser seu vice, um cadáver político malcheiroso há 4 anos que amargou 4% dos votos nas eleições presidenciais de 2018. Relembrar é viver: o ex-governador de São Paulo era o nome preferido da burguesia que, diante de seu desempenho eleitoral medíocre, acabou tapando o nariz e apoiando Bolsonaro.

Os adeptos dessa saída garantem que atrair integrantes da direita para a composição de chapa presidencial é essencial não apenas para derrotar o bolsonarismo, mas também o neoliberalismo implantado através do golpe de 2016. Alckmin seria o nome ideal por representar o tucanato social-democrata histórico e ter trânsito nos setores da direita (mercado financeiro, agronegócio e outros que exploram diuturnamente nossa terra e nosso povo). Seria uma reedição da “carta aos brasileiros” sabor Picolé de Chuchu Paulista.

Para além da questão nacional, o quadro internacional nunca foi tão instável. A disputa instalada por Rússia e China contra a dominação imperialista estadunidense eleva os ânimos numa guerra fria que promete ser quente. Nesse contexto, a América Latina se torna alvo preferencial de dominação dos Estados Unidos, cujo atual presidente definiu a função ao afirmar que “Tudo ao sul do México é o nosso jardim”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A essa altura dos acontecimentos, todos sabemos sobre o papel dos EUA na operação Lava Jato e na desestabilização que facilitou o golpe de 2016. O próprio Lula entendeu, após mais de 580 dias preso, que imperialismo não é palavrão de comunista, mas a ação contundente da dominação nociva e parasita de uma nação capitalista sobre o restante do mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Brasil, em específico, é alvo estratégico por se tratar do maior país da América Latina, o mais rico, o maior produtor de alimentos, com enorme capacidade energética, recursos hídricos e aquele que, se independente, poderia impulsionar a emancipação de todo o continente. Ao mesmo tempo em que faz acordo com a burguesia, Lula também promete retomar a Petrobrás e desfazer as reformas neoliberais que destruíram o emprego e a renda no Brasil. Conciliador e anti-imperialista.

Na economia, Lula vem costurando um quadro de mercado contando com um concerto de nações que certamente irão favorecer a recuperação do país arrasado pela destruição bolsonarista. Isso poderá alavancar a retomada em todo o continente, reforçada com o anúncio de que a Argentina pretende compor o banco dos BRICS enquanto o presidente da China afirmava que “As Malvinas são argentinas”. Em hipótese, a vitória de Lula significará não só o fortalecimento da América Latina soberana, mas o avanço da presença chinesa e russa no continente. E isso, não nos iludamos, o imperialismo não irá permitir tão fácil. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nos anos 1970, Juscelino Kubitschek era uma das principais lideranças políticas e populares de seu tempo com condições de comandar um projeto de soberania para o Brasil. Como mostrou a Comissão da Verdade do Estado de S. Paulo e pesquisa conduzida pela USP, a ditadura militar, financiada pelos EUA, assassinou o ex-presidente JK através da Operação Para-Sar, Operação Condor e Operação Código 12 (código utilizado para eliminar oponentes fazendo parecer morte por acidente). Por que não fariam o mesmo de novo?

O ex-presidente e atual pré-candidato diz que dorme tranquilo, sem pensar nisso, mas todos nós temos a obrigação de pensar. O PT tem a obrigação de pensar. Fidel Castro, o líder da Revolução Cubana, sofreu dezenas de atentados por parte da CIA. E se algo acontecer com Lula, é o Alckmin que assume? Ao assumir, ele vai manter a política anti-imperialista e anti-neoliberal ou se renderá às suas origens ideológicas de classe? É realmente seguro (política e fisicamente) para o presidente Lula ter na linha de sucessão o candidato dos sonhos daqueles que deram o golpe em 2016 e apoiaram sua prisão ilegal em 2018?

Há quem diga que considerar a ideia de que qualquer tragédia possa acontecer com Lula é trabalhar sobre o imponderável. Eu chamo de trabalhar a partir de fatos históricos que marcam e caracterizam a nossa construção cultural e sociopolítica ao longo dos séculos. As eleições de 2022 estão apontando para reafirmar as nossas culturas políticas de conciliação/acomodação e personalismo. A figura de Lula, central para a reconstrução do país, poderá também tornar-se um labirinto de onde as forças políticas de esquerda não saberão como sair em sua ausência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fato é que, sem Lula, não há qualquer possibilidade de vencer o golpe de 2016, cujo vice teve papel decisivo para o sucesso, e a agenda neoliberal implementada na sequência. A mobilização popular será essencial para desfazer as reformas, retomar as empresas estatais estratégicas e o investimento público. A reforma política, assim como a reforma do poder Judiciário, a redefinição do papel das Forças Armadas, a democratização da mídia e o fortalecimento das ações sociais do Estado são pontos fundamentais e complexos que não poderão ser resolvidos com aprovações de PECs.

As eleições de 2022 deverão ser o espaço de mobilização e de formação da consciência das massas sobre a necessidade de mudanças profundas e estruturais em nosso país. Vencer em outubro poderá significar o primeiro passo rumo à porta de entrada que conduzirá a nação a uma Assembleia Nacional Constituinte – esta sim, verdadeiramente livre e exclusiva –, com o protagonismo do povo: nossa porta de saída para consolidar a democracia e a soberania do Brasil e de toda a América Latina.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email