A violência no Brasil tem origem, ela é de classe

A causa da violência em todo Brasil tem uma origem, a inoperância do Estado que deixou toda população pobre e desassistida do mínimo de seus direitos fundamentais que é ter saúde, educação e trabalho para todos

exército moradores
exército moradores (Foto: José Rainha Júnior)

Estamos assistindo a escalada da violência em todo Brasil. Chacinas nos presídios e nas favelas que acontecem todos os dias, aonde milhares de negros, pobres miseráveis são mortos como bois levados ao matadouro. No meio rural, as chacinas dos Sem Terra, índios e quilombolas são realizadas pelo braço armado dos latifúndios a serviço da elite, donos dos engenhos a mando de Casa Grande, além dos assassinatos seletivos das lideranças das organizações que lutam pela terra e a reforma agrária.

A causa da violência em todo Brasil tem uma origem, a inoperância do Estado que deixou toda população pobre e desassistida do mínimo de seus direitos fundamentais que é ter saúde, educação e trabalho para todos. Ele é o responsável por toda violência tanto no campo como na cidade. É o Estado com suas forças repressivas (armadas), o responsável pela escalada da violência, que ao invés de colocar nos morros postos de saúde, escolas, creches, centro esportivos e de lazer, cultural, prefere criar as UPPs (unidades de polícia pacificadora) colocando forças repressivas mal preparadas. Podemos acreditar que muitos dos pensantes nesta ação são envolvidos na corrupção, pois nem nos morros e nem nas baixadas existem plantações de drogas, e nenhuma arvore produz fuzil. Se isso tudo chega aos excluídos moradores dos morros é porque o Estado permite e é conivente.

As políticas que se tem para o sistema penitenciário é de reprimir, de criminalizar. Os presídios são conhecidos como a faculdade do crime onde a corrupção permite que neles entrem todo tipo de drogas, armas e celulares. O que deveria entrar, o trabalho para todos os presidiários, escolas para estudarem, formação, capacitação, esporte e lazer, cultura e arte, não é disponibilizado. O Estado tem o dever de recuperar os detentos para retornarem à sociedade como um cidadão de bem, mas o que acontece é a revolta de ex detentos porque foram discriminados, reprimidos e humilhados.

O Ministério Público e o Judiciário que tem o dever de aplicar e fiscalizar as leis, usam-nas contra os pobres e negros. A população carcerária de nosso país não tem assistência jurídica e nem uma atenção do poder Judiciário. A fiscalização por parte do Ministério Público não existe, então em quem confiar? De quem esperar justiça e dias melhores? Nossos presídios são uma bomba relógio que não falta nada para explodir e incendiar todo país e se isso acontecer a culpa será das facções criminosas. Aqui cabe uma pergunta a todas autoridades. Quem mesmo alimenta as facções criminosas no Brasil? Porque as armas entram com tantas facilidades pelas fronteiras? O que faz mesmo o Exército nas fronteiras? Estas perguntas não são difíceis de ser respondidas. Elas entram para sustentar as verdadeiras quadrilhas que não estão nos morros e nem nas baixadas das cidades grandes, entra para sustentar as facções que se encastela nas mansões, que mora nos palácios e nos condomínios de luxos, para sustentar os filhos da classe dominante e a classe média, para sustentar as máfias do futebol, dos donos dos meios de comunicações, rádios, TVs, jornais e revistas. O comércio das drogas e de armas rendem bilhões de reais e de dólares e alimenta o Sistema Capitalista e o Imperialismo Americano, por isso que nunca vão acabar com tráfico e nem com a violência urbana e rural.

A intervenção das forças armadas na segurança do Rio de janeiro como forma de combate à violência nos morros e em todas as favelas só tem o objetivo de reprimir, matar os pobres miseráveis e excluídos da sociedade, é bom lembrar que a corrupção na cúpula de segurança pública no Rio De Janeiro não é de agora a sociedade do Rio não tem memória curta,  todos se lembra que nos meados dos anos 70, o Rio viveu uma das maiores crise na segurança pública com o esquadrão da morte, o (mão branca) a onde se matava torturava e depois se perguntava quem era, neste período  o tráfico de drogas foi comandando por um traficante conhecido por Lucio Flavio, que foi encontrado morto em um presidio em janeiro de 1975,quem tiver curiosidade de ver o que se passou neste período é só ver o filme (passageiro da agonia com o ator Reginaldo Farias) . Para relembrar o Brasil estava em plena ditadura Militar e era governado pelo general Ernesto Geisel. Então intervenção das Forças Armadas para resolver a violência no Rio e a corrupção na cúpula da segurança pública não passa de uma piada de mal gosto. Tudo isso só serve para alimentar a violência, além de que, tudo não passa de uma jogada de interesse político de um presidente que perdeu a moral e não tem credibilidade mais para governar nem mesmo a sua casa, quem dirá um País. O   presidente perdeu toda noção do governo e vai fazer qualquer coisa para agradar a elite que sempre teve este país como um quintal, que manteve a escravidão por quase 400 anos e dizimou o Arraial de Canudos no século XIX que sonhava com um Brasil digno e um povo livre, que em um Golpe de Estado derrubaram um governo legítimo eleito pelo povo e jogou nosso país nas trevas por 21 anos, onde torturaram e mataram milhares de lutadores do povo.

Esta mesma elite reacionária a serviço dos imperialistas americanos, em pleno século XXI deram um golpe político e jurídico e derrubaram o governo democrático e popular da presidenta Dilma. No comando da República colocou uma quadrilha de ladrões que saquearam os cofres públicos jogando o país em uma extrema repressão judicial, que condena a todos lutadores do povo sem terem cometido nenhum crime. Rasgaram a Constituição e colocaram na cadeia as lideranças de partidos políticos criminalizando a política e os movimentos sociais que ousam desafiar e denunciar a quadrilha encastelado no poder. Colocaram alguns empresários e políticos que assaltaram os cofres públicos na cadeia para justificar que a “lei é para todos”.

É hora de todas as lideranças dos partidos de esquerda e progressistas, e de todos os movimentos sociais e sindicais, tomar uma decisão política. Ou deixamos os egos e as vaidades de lado e construímos a unidade em um só projeto que permita a retomada do processo democrático eleitoral, ou vamos todos ficar olhando das janelas a roda da história e o povo girar. Reafirmo que a paz que sonhamos só vai acontecer o dia que a classe trabalhadora acertar as contas com a burguesia; o dia que os nossos dirigentes políticos resolverem dar um passo à frente das massas, construir uma organização política com capacidade de conduzir as massas excluídas na tomada do poder político, destruir o Estado burguês e construir o Socialismo.

 

 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247