A voz das pesquisas: chega de aventuras

"Tudo indica que o eleitor que, em 2018, iludiu-se com o discurso anticorrupção de Jair Bolsonaro e arriscou-se a votar nele chegará às urnas em outro estado de ânimos", escreve Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

www.brasil247.com - Bolsonaro e Lula
Bolsonaro e Lula (Foto: REUTERS/Adriano Machado)


Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

Além da acelerada corrosão na popularidade de Jair Bolsonaro e do crescimento da vantagem  que o ex-presidente Lula vai tirando em relação a ele na disputa de 2022, a mais recente rodada de pesquisas mostra os temas que estão pesando mais  para o eleitor. Divulgado nesta quarta, o levantamento Genial/Quaest, feito de forma presencial, aponta como principal problema no país hoje, para os brasileiros, a pandemia (24%), que somada ao segundo da lista, a falta de bom atendimento na saúde (17%), ultrapassa de longe os demais.

Sabemos e torcemos para que, em outubro de 2022, a pandemia seja uma página virada para o Brasil. Mas nada garante que será assim. Mais do que isso, seu impacto na economia e em outros setores ainda se fará sentir.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Embora 38% dos quase sempre otimistas brasileiros tenham manifestado acreditar que haverá uma melhora na economia e que o país vai crescer, o problema mais citado depois das questões relacionadas à pandemia/saúde é o desemprego (17%), que somado ao quesito crise na economia (10%)  acaba sendo bastante lembrado. Curiosamente, a inflação (2%) e a fome/miséria (4%) vêm atrás, mas também aparecem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ou seja, ao que parece, o conjunto da obra pandemia/saúde + desemprego/economia tem grandes chances de definir o voto de 2022, e vão levar vantagem aqueles candidatos, inclusive a governos estaduais e ao Congresso, que apresentarem uma narrativa com propostas e soluções para esses problemas. Tem mais possibilidade de ganhar quem acenar com esperanças de vida melhor ou que, como Lula, exibir, além dessa mensagem, memória e credenciais passadas de que é capaz de governar nesse sentido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tudo indica que o eleitor que, em 2018, iludiu-se com o discurso anticorrupção de Jair Bolsonaro e arriscou-se a votar nele chegará às urnas em outro estado de ânimos. A corrupção aparece num modesto quarto lugar entre os principais problemas citados, com 11%, talvez um sinal de arrependimento de tantos desalentados ex-eleitores de Bolsonaro - que, por sua vez, já perdeu esse discurso. Os números parecem mostrar que a maioria não quer mais aventuras eleitorais.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email