Abaixo a ditadura!

Pretenso combate à corrupção que serve como mero pretexto para perseguir e criminalizar um partido com compromissos populares, e ao mesmo tempo proteger setores conservadores, é coisa típica de ditadura

Pretenso combate à corrupção que serve como mero pretexto para perseguir e criminalizar um partido com compromissos populares, e ao mesmo tempo proteger setores conservadores, é coisa típica de ditadura
Pretenso combate à corrupção que serve como mero pretexto para perseguir e criminalizar um partido com compromissos populares, e ao mesmo tempo proteger setores conservadores, é coisa típica de ditadura (Foto: Bepe Damasco)

1) Pretenso combate à corrupção que serve como mero pretexto para perseguir e criminalizar um partido com compromissos populares, e ao mesmo tempo proteger setores conservadores, é coisa típica de ditadura.
 
2) A banalização de prisões preventivas e temporárias por tempo indeterminado, sem condenação definitiva e com base em ilações e conjecturas, é marca registrada dos estados autoritários.
 
3) A tortura psicológica a qual suspeitos presos são submetidos, mofando na cadeia até que resolvam delatar militantes de determinado partido, é um conhecido sintoma de violação do sistema de garantias individuais, pedra angular dos regimes democráticos.
 
4) Ações pirotécnicas e truculentas por parte da polícia judiciária, tendo como alvo residências de parlamentares, bem como o cerco e a invasão de policiais camuflados à sede de partido político, seriam endossadas por Pinochet, Médici, Franco, Videla, Salazar e gorilas do gênero.
 
5) Pré-julgamentos, linchamentos morais e assassinato de reputações de adversários da plutocracia levado a cabo por monopólios midiáticos, sob a justificativa miserável do exercício da liberdade de expressão, não seriam tolerados em países que praticam algo que mereça ser chamado de democracia.
 
6) Juiz de 1ª instância ganhar salvo conduto da elite  para fazer tábula rasa do Código Penal, do Código de Processo Penal e da Constituição da República só é possível nas ditaduras, que lhes garante impunidade absoluta mesmo quando grampeiam presidentes da República e divulgam o grampo criminoso.
 
7)  Um bando de ladrões apear do governo uma mandatária honrada, justamente para assegurar que permaneçam impunes, só se vê em republiquetas bananeiras das quais o regime democrático passa longe.
 
8) Como definir um regime em que as próprias instituições do Estado, como Tribunal de Contas, Judiciário, Ministério Público, Polícia Federal e Congresso Nacional, adubadas pela mídia, tramam e executam um golpe de estado ?
 
9) É ou não é um ditadura um sistema no qual a mais alta corte se torna sócia de um golpe ao tolerar passivamente a fraude grotesca de um processo de impeachment sem crime de responsabilidade, além de se manter inerte mesmo quando gravações de líderes da quartelada vêm à tona denunciando os ministros supremos como parte da engrenagem golpista ?
 
10) Vivemos um ditadura no Brasil. Uma ditadura midiática-judicial-parlamentar, mas uma ditadura. O momento requer, portanto, a ampliação e a radicalização da luta de resistência democrática. Abaixo a ditadura!

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Florestan Fernandes jr

No pasarán!

Se os democratas não se mobilizarem em defesa do Estado Democrático de Direito, "o Brasil será transformado num pária no mundo", escreve Florestan Fernandes Jr., do Jornalistas pela Democracia....

Ao vivo na TV 247 Youtube 247