Adiar a CPI da Pandemia para deixar Bolsonaro matar mais

"É preciso dizer basta a este genocídio e apenas com a criteriosa apuração das responsabilidades, por parte dos agentes do estado, será possível orientar as políticas sanitárias na direção de pôr fim à pandemia e salvar o Brasil", escreve a doutoranda em História pela UFMG Carla Teixeira

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters | ABr)


A instalação da CPI da Pandemia, prevista para o dia 13 próximo, apenas se dará após a determinação judicial monocrática expedida pelo ministro Luís Roberto Barroso. Entre os sócios do governo genocida no Congresso Nacional, incluindo os presidentes das duas casas, há um esforço para tentar adiar a realização das investigações.

A farsesca ligação entre Bolsonaro e o senador Kajuru (Cidadania – GO), divulgada pelo próprio senador com o consentimento do presidente, em que o apavorado do Alvorada estimula a mudança de escopo da CPI – do Governo Federal para os estaduais e municipais –, ameaça “dar porrada num bosta desses”, referindo-se ao senador Randolfe Rodrigues (REDE – AP), além de tramar um pretenso impeachment de ministros do STF, “deixou a todos perplexos”, nas palavras do polido ministro Marco Aurélio.

A trama logo foi desvendada: criar polêmica, aumentar a pressão sobre o Senado e o Supremo, mobilizar as redes bolsonaristas e tirar o foco da questão que é a homicida atuação do Governo Federal na condução da pandemia e sua evidente responsabilidade diante das mais de 350 mil mortes contabilizadas até aqui (excluídos os casos não notificados que podem triplicar e até quadruplicar este número).  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto isso, o país segue sem leitos, sem vacinas, sem distanciamento social, sem auxílio emergencial digno, com a economia afundada, o desemprego e a fome aumentando exponencialmente. O presidente da República brinca – como sempre fez desde o primeiro momento – de arranjar confusão com os outros poderes, desestabilizando a República e ferindo a Democracia, à espera da oportunidade ideal para dar seu pretenso golpe com o apoio de milicianos e charlatões fundamentalistas neopentecostais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em constante diálogo com o STF, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) – aquele que, naturalmente, prefere enfrentar os tribunais da história, que punem depois da morte, a enfrentar os tribunais penais, que responsabilizam os culpados ainda em vida -, atua para que o entendimento no plenário do Supremo, que apreciará a decisão monocrática do ministro Barroso no próximo dia 14, seja obrigar a realização da CPI somente depois da pandemia (que até aqui não tem qualquer previsão de término).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Certamente essa orientação, adiantada pelo jornal O Estado de S. Paulo, se deve à cumplicidade dos poderes e agentes da República (Congresso Nacional, Judiciário, PGR, AGU, Forças Armadas entre outros) com o holocausto em curso. Adiar a CPI servirá apenas para deixar Bolsonaro, o genocida inimputável, matar mais.

Que os ministros do Supremo não se dobrem ante a coerção praticada por milicianos, oportunistas e criminosos que tomaram Brasília de assalto. É preciso dizer basta a este genocídio e apenas com a criteriosa apuração das responsabilidades, por parte dos agentes do estado, será possível orientar as políticas sanitárias na direção de pôr fim à pandemia e salvar o Brasil deste que será lembrado como o momento mais dramático, indigno e vergonhoso da nossa história republicana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email