Almoço de domingo no Alvorada: “papai, por que estão todos contra nós?”

"Em tempo, antes que me acusem de fake news. Este é um texto de ficção. O anão não existe. Qualquer semelhança com personagens reais deve ser mera coincidência. Ou não", adverte o jornalista Ricardo Kotscho sobre sua nova crônica

Eduardo, Jair, Flavio e Eduardo Bolsonaro
Eduardo, Jair, Flavio e Eduardo Bolsonaro (Foto: Família Clã Bolsonaro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho e para o  Jornalistas pela Democracia   

Brasília tem um anão falastrão que se esconde debaixo das mesas dos palácios para ouvir as conversas das excelências e depois sai contando tudo, desde o tempo em que trabalhei no Palácio do Planalto.

Fazia tempo que não o encontrava, e ele foi logo perguntando:

_ E aí, chefia? Tá sabendo do almoço de domingo da família no Alvorada?

_ Não, há muito tempo não vou a Brasília. O que houve?

_ Rapaz, o negócio foi pesado, quase se pegaram a tapa. Não fosse a primeira dama aquilo ia acabar na delegacia…

Parece até que o anão gravou a conversa, pois reproduziu em detalhes os diálogos entre pai e filhos. Abaixo, um breve resumo (alguns palavrões foram censurados para manter o decoro do blog):

B. – Que semana pesada da porra, meninos! Mais uma dessas, eu pego meu boné, largo esta merda e vou pescar em Angra bem naquele local proibido, só de marra, hahaha…

C. – Papai, por que estão todos contra nós? Não é só a imprensa… É Polícia Federal, Receita Federal, Coaf… Todos pegando no pé da gente. Bando de comunistas, vermelhos safados.

B. _ Você não pode falar nada porque meteu o nome do teu irmão 01 numa lista de deputados investigados no caso do laranjal da Assembléia, aquele do maldito Queiroz.

C. _ Que Queiroz? Nunca ouvi falar. Mas, papai, o 01 está na lista, o que eu posso fazer? Bem que eu queria ser candidato ao Senado, mas o senhor preferiu ele.

B. – Quer dizer que foi vingança, 02? Era só o que faltava nesta zona. Porra, agora é irmão contra irmão, já não bastam nossos inimigos?

E. _ Calma, pessoal, eu só vim aqui para saber como está aquele lance da embaixada que o senhor me prometeu ainda na campanha.

B. – Porra! Até vocês vêm aqui fazer lobby pra cima de mim? Eu não aguento mais isso, talkey? Quem manda aqui sou eu!

F. – Por falar em lobby, o senhor já decidiu quem vai colocar na PGR? Tem que ser alguém da nossa confiança. Gostou daquele nome que te indiquei, o subprocurador Antonio Carlos Martins Soares, chapa do nosso advogado Frederick Wassef?

B. – Ainda bem que pedi para o GSI investigar a ficha desse cara. É ficha suja, tem um processo por falsificação de documentos que foi parar no STF. Quem manda aqui sou eu!

F. – Mas já prescreveu, papai. Se for investigar, não vai sobrar ninguém, nenhum desses nomes que o senhor está analisando. Vai acabar ficando aquela Rachel Dodge, que está doida pra não largar o osso, faz qualquer negócio.

B. – Pensando bem, não sei, vou ver, melhor consultar o Olavão. Quem manda aqui sou eu!

E. – E a minha embaixada?

C. – O negócio lá no Senado não tá favorável, mano. Andei investigando também, tem muito comunista lá. Eles vão querer tirar uma onda pra cima do papai.

B. – Acho melhor você cuidar das nossas redes sociais, deixa o Senado comigo. Está me botando em cada fria.. Já estão dizendo por aí que aquele vídeo da caçada de baleias não é na Noruega, mas numa ilha dinamarquesa, alguma coisa assim.

E. – Noruega, Dinamarca, tanto faz, é tudo a mesma coisa, países asiáticos lá do norte da África. Disso eu entendo. E a minha embaixada?

B. – Vai se (*) você também 02, que só pensa nisso. Vai fritar hamburguer, pô. Quero  saber que informações vocês têm sobre o Moro. Ele continua muito bravo comigo? Tá achando que eu quero (*) com ele? E daí, hahaha. Quem manda aqui sou eu!

C. – Esse (*) não quer mais ir pro STF, não, papai. Ele quer é o teu lugar em 2022, ou antes, se possível… Só isso. Já tem o apoio daqueles comunas da Globo. Tá se fazendo de morto pra comer o (*) do coveiro…

F. – Será que ninguém aqui tem alguma notícia boa pra nós?

E. – Tem sim. Mais dia, menos dia, eu vou ser embaixador nos Estados Unidos e todos os nossos problemas estarão resolvidos.

B. – Os nossos, não, só o teu, hahaha! E eu vou ficar aqui me (*) sozinho, tendo que demitir um monte de gente em todo lugar para salvar a cara do 01… Me passa o leite condensado. Quem manda aqui sou eu!

C. – Papai, não me leve a mal, mas toda imprensa tá perguntando que fim levou o Queiroz.

B. – E eu vou lá saber? Que Queiroz? Não conheço, nunca vi na vida, e não quero nem saber. Isso é treta do 01, não tenho nada com isso. Quem manda aqui sou eu!

E. – E a minha embaixada? Quando vai sair? Tá demorando muito…

B. – Querem saber de uma coisa? Vão todos tomar no (*) que agora vou estrear meu novo videogame e quero que o mundo se (*). Quem manda aqui sou eu!

F. – Mas ninguém obedece…

Em tempo, antes que me acusem de fake news. Este é um texto de ficção. O anão não existe.

Qualquer semelhança com personagens reais deve ser mera coincidência. Ou não.

Vida que segue.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247