Amazonas: estado de anomia

"A população, já tão massacrada pela pandemia, pela falta de oxigênio e de insumos nos hospitais públicos, agora está sob clima de terror", escreve o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto, que critica também o atual governador na reação à atual crise no Estado

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Arthur Virgílio Neto

O Amazonas vive um estado de anomia, precisamente porque não se sente a presença do governo enfrentando seus principais problemas. A população, já tão massacrada pela pandemia, pela falta de oxigênio e de insumos nos hospitais públicos, agora está sob clima de terror. O crime organizado e o tráfico de drogas têm hoje enorme ousadia diante ao desgoverno que aí está. No último final de semana, eles mostraram que já não temem as forças policiais e nem os órgãos que controlam a segurança pública no Estado. Em retaliação à morte de um traficante e ao suposto “roubo” do carregamento de drogas encomendado por uma organização do tráfico, os bandidos queimaram ônibus, agências bancárias, viaturas e atacaram até unidades públicas de saúde e de educação em Manaus e alguns municípios vizinhos. 

O Amazonas virou terra sem lei, sem ordem, sem governo. Passei oito anos como prefeito e denunciava o crescimento do tráfico na capital e no Estado inteiro. O que vi, na verdade, foi muita tolerância dos governantes com as organizações criminosas, em guerra entre elas mesmas e também em guerra contra as pessoas de bem. Eis aí o resultado da inércia: contemplamos, com tristeza e revolta, o quadro caótico que foi se estabelecendo a cada dia, a cada mês, a cada ano, tornando a população refém do medo. 

PUBLICIDADE

O “governador” Wilson Lima Lima é uma figura caricata. Diante da crise, “reagiu” com um comunicado ridículo, mantendo os traços da completa irresponsabilidade. Esquiva-se, sistematicamente, de enfrentar os problemas do Estado e de assumir que deveria desempenhar: conduzir o Amazonas para caminhos seguros e prósperos. Aliás, nos últimos anos, houve governantes que levaram a saúde pública por Maus Caminhos, desviando cerca de R$ 260 milhões e enfraquecendo esse setor vital ainda um pouco antes da pandemia. 

A inexperiência não serve mais para explicar ou tentar minorar o desastre moral e administrativo. Em Wilson Lima, prevalece a falta de espírito público e o desapreço pelo trabalho. Wilson nunca fez e nunca fará nada pela segurança pública, porque é apenas um mamulengo de ventríloquos que avançam vorazmente sobre o tesouro estadual. Vivemos tempos de desgoverno e má fé. Esse governo, na verdade, não reúne condições de prosseguir. 

PUBLICIDADE

O Brasil se vê às margens de uma terceira onda da Covid-19, que muito provavelmente atingirá o Amazonas. Até quando suportaremos tanta dor? Até quando seremos vítimas de interesses escusos, de genocidas no poder? É hora do basta numa experiência que faliu logo nos primeiros ensaios. Fracassaram por incompetência e má fé. Faliram por falta de respeito à sociedade.

Manaus precisa voltar a ser uma cidade normal, o interior do Estado precisa sentir a presença de quem governa e a segurança pública deve ser fortalecida, equipada, capacitada e acatada por todos. A Força Nacional precisa pousar em Manaus. A Polícia Federal necessita ser reforçada nos seus contingentes. Que Deus proteja nossa gente!

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email