Aras recebe apoio ao fiscalizar força-tarefa do Paraná

"Na sua quebra de braço para fiscalizar a atuação da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, o procurador-geral da República, Augusto Aras, acabou ganhando apoio inesperado", afirma o jornalista Marcelo Auler. Em meio ao recolhimento de arquivos da Lava Jato, continua, "o Coletivo pela Verdade, Justiça e Democracia, grupo da sociedade civil curitibana, fez questão de registrar apoio à medida"

(Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Marcelo Auler, em seu blog

Na sua quebra de braço para fiscalizar a atuação da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, o procurador-geral da República, Augusto Aras, acabou ganhando apoio inesperado. No final da manhã desta sexta-feira (24/07), quarto dia em que técnicos da PGR estão e Curitiba recolhendo informações dos arquivos digitais da Operação Lava Jato, o Coletivo pela Verdade, Justiça e Democracia, grupo da sociedade civil curitibana, fez questão de registrar apoio à medida e, consequentemente, ao procurador-geral.

Não foi nenhuma manifestação expressiva, até por conta da pandemia que provoca – nos mais conscientes – a necessidade do isolamento social. Principalmente no Paraná, onde o número de casos de infectados vem subindo nos últimos dias. Nem por isso, o Coletivo, que embora tenha sido criado por advogados é constituído por profissionais de vários setores, deixou de marcar posição nesta briga. Acabou tendo surpresas agradáveis.

Na porta do prédio 933 da Rua Marechal Deodoro, no centro de Curitiba, onde fica a sede da Procuradoria da República naquela capital, os dois representantes mais jovens do grupo contaram com a voluntária ajuda de um morador de rua. Ele fez questão de participar, ajudando a segurar as faixas.

A surpresa não parou no voluntariado do morador de rua. Críticos aos desmandos da chamada “República de Curitiba” e defensores da anulação das condenações do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, por saberem que elas atenderam a projetos políticos e fugiram ao devido processo legal, membros do coletivo já tinha sofrido apupos e xingamentos quando realizaram outros protestos na mesma calçada.

Em setembro passado, por exemplo, foram lá cobrar a apuração das denúncias feitas pela VazaJato do The Intercept. Desta vez os manifestantes não ouviram nenhuma crítica dos transeuntes ou dos motoristas que por ali passaram, como ocorreu em manifestações anteriores. Antes pelo contrário, alguns carros nitidamente diminuíram a velocidade para observar as faixas. De um deles veio o apoio através do grito “Lula Livre!”

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247