Arthur Lira: Dr. Jekyll e Mr. Hyde

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A atitude de Arthur Lira, recém-empossado presidente da Câmara dos deputados, me lembrou bastante o personagem Dr. Jekyll e  Mr. Hyde, de Robert Louis Stevenson, publicado em 1886. A vitória avassaladora, já pressentida do candidato do presidente, parece ter sido o mote para sua transformação sem precisar do soro da verdade. Aquela que para testa a natureza humana e muda o pacato doutor em um monstro. Que o mandatário maior do país, tem poucos modos, já sabemos. Que o novo presidente é alinhado ao presidente, já sabíamos. Mas chocou a transformação em poucos minutos.

Com um discurso pregando paz e conciliação entre todos, em outro momento, vocifera que todos os partidos de oposição estão banidos das composições. Com ódio reprimido, esquece a compostura e dá a martelada final nos microfones da Câmara, sem nenhum pudor. Em outro momento do discurso, prega a importância da vacinação e de se proteger os cidadãos.  “O país atravessa a mais cruel, devastadora e feroz pandemia do último século, o povo sofre seus efeitos e mais do que nunca precisa que os poderes da República atuem c/harmonia e responsabilidade”, disse Arthur Lira antes da aglomeração na festa que celebrou a vitória. 

Seria Bipolaridade? Alguém sensato escreveu o texto e depois que leu, viu que era tarde demais? Quais os motivos dessa transformação tão rápida? Sua amizade de longa data com Eduardo Cunha, sempre foi notada como sendo aprendiz de seu mestre. Atuação sempre discreta e envolvente através dos bastidores. Chefiou a comissão mais importante, a CCJ (Constituição e Justiça) e pode atuar para livrar seu amigo Cunha, em um processo de quebra de decoro. Por outro lado, responde a dois processos. Um fazendo parte do “Quadrilhão do PP”, organização criminosa que atuou lesando a Petrobras, a Caixa Econômica Federal (CEF) e o Ministério das Cidades. E também de agressão a sua ex-mulher.

Lembrando a obra de Stevenson, ela foi baseada na vida dupla de William Brodie, na Escócia, que de dia ele era um respeitado cidadão de bem; à noite, roubava as casas da cidade. Como negociador, Arthur Lira, é apontado como habilidoso e tentou seduzir a esquerda, dizendo que seria independente do presidente. Falava sobre isso, sobre sua capacidade de autonomia, mas no fim do dia era visto de abraços ao seu amigo. O autor do conto, nos leva  o debate político e social da época vitoriana (Karl Marx viveu em Londres de 1850 até 1883), com a cidade dividida entre ricos e uma grande população empobrecida. E o personagem, dividido entre duas personalidades, uma  do respeitado  doutor, exemplo de conduta e a outra, reprimida durante sua vida, que comete vilanias, sem responsabilidades, convive  durante a trama sem problemas de identidade. Muito se fala em termos de psicologia a cerca dessa dualidade enfrentada por muitos, porém nada foi tão visível, quanto a cena final da eleição na Câmara.

No dia seguinte, Arthur Lira, teve que voltar atrás em sua decisão, pois até a possibilidade de cassação poderia haver, com menos de 24hs uma abertura de processo pelo PDT foi levada ao Supremo. Mesmo desistindo de seu primeiro ato, arma as comissões com seus aliados e distribuindo cargos aos mais radicais apoiadores do presidente como, por exemplo, a comissão mais importante da Câmara que será presidida pela famosa disseminadora de fake news, negacionista, Bolsonarista raiz, sabotadora do combate à pandemia e apoiadora dos atos pelo fechamento do Congresso e do STF. Bia Kicis na CCJ. É aquela que analisa a constitucionalidade das pautas para serem votadas. 

No conto, Mr. Hyde faz da jovem Ivy a sua vítima. Quem será a vítima deste Lira transformado? Enfim, foi um primeiro dia tumultuado e que pode indicar uma condução de muito desgaste, ao contrário do seu discurso. E por outro lado, dizem que não vai haver surpresas, que seguirá o ritmo agressivo de Bolsonaro. A esperança é que daqui a dois anos possamos falar ao contrário.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email