As bravatas que blindam Flávio podem derrubar Eduardo

A tática usada é: se colar colou, se não colar a gente pede desculpas. Quantas vezes Bolsonaro teve de recuar de uma declaração? Quem é Eduardo na fila do pão para ameaçar a sociedade com mão de ferro? Eduardo é filho de um ditador bananeiro, foi criado em ambiente bélico e violento, mas que na hora H dá uma piscadinha, baixa a guarda e foge

(Foto: Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Todos os movimentos articulados pelo clã conduzem na direção de manter o senador Flávio Bolsonaro fora da jaula. Não vão fechar o Congresso, STF, TV Globo, invadir a Venezuela e nem editar ato institucional. O grupo militar que preenche cargos no poder veio do porão, é do baixo clero e não possui voz ativa.

A tática usada é: se colar colou, se não colar a gente pede desculpas. Quantas vezes Bolsonaro teve de recuar de uma declaração? Quem é Eduardo na fila do pão para ameaçar a sociedade com mão de ferro? Eduardo é filho de um ditador bananeiro, foi criado em ambiente bélico e violento, mas que na hora H dá uma piscadinha, baixa a guarda e foge.

Nas trincheiras dos teclados, robôs disparam notícias falsas contra opositores, movimentando as redes sociais. Atualmente contam com o apoio, ainda que forçado, de apresentadores de televisão demitidos, que migraram para o streaming e que, no afã de likes e seguidores, acabam dando palco para miliciano beatificar sua arma.

A chave da cadeia é Fabrício Queiroz, homem de confiança que evolui e harmoniza dentro do grupo de milicianos, que tem autoridade nos gabinetes parlamentares no Rio para admitir, demitir, repartir dividendos e movimentar depósitos em contas correntes. Essa é a pedra na chuteira, o calcanhar de Aquiles, o ponto fraco da linhagem que faz de tudo para separar o Brasil dos brasileiros.

As consequências da blindagem desmesurada ao zero one, virão do aprofundamento das bravatas, das apologias da censura à tortura, com seus efeitos na credibilidade popular e nas possíveis denúncias de violação do código de ética, que pode levar ao julgamento nas Comissões das Casas Legislativas, com pena de cassação do mandato.

Contudo, não minimizo o poder do cargo e nem a sociopatia de quem o ocupa. Jair Bolsonaro pode tentar um golpe de Estado, que provavelmente seria à la Brancaleone montado em um pangaré, mas que abriria uma ferida ainda maior em nossa surrada democracia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247