As Paixões 2

Percebi em mim que os medos criaram fantasias e escureceram minha visão sobre o que acontecia, minha ânsia em não ser mais encarcerada ou ser apenas um território conquistado e colonizado turvaram meus pensamentos e atitudes...

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Percebi em mim que os medos criaram fantasias e escureceram minha visão sobre o que acontecia, minha ânsia em não ser mais encarcerada ou ser apenas um território conquistado e colonizado turvaram meus pensamentos e atitudes, porque simplesmente não poderia viver novamente como uma ave de asas cortadas. Cega pelo pânico e traumas acreditava em todos os padrões que até então estavam presentes em mim, mas dessa vez desejei inverter os papéis, mesmo que eles não estivessem postos diante daquele sentimento.

O Avassalador, apesar do quanto eu me colocava como alguém quase que inatingível, sempre era gentil, mostrava-me a todo o momento o sentimento que sentira e o quanto desejava a junção entre nós. Pacientemente, compreendia o meu momento e acredito que percebera as minhas contradições e como eu vacilava apesar de toda a paixão, e quem sabe o amor que já estava instalado dentro de mim.

Conversávamos, ouvia-o dizer o quanto desejava o encontro, como pensava em mim e o quanto se sentia desconcentrado porque sempre lembrava do dia em que nos conhecemos, o meu cheiro que ele insistia em afirmar, que apesar da distância e do perfume que usava, a ele foi possível sentir e estava gravado em sua memória. Eu apenas sorria! Correspondia de forma tímida e desconfiada as suas falas, sempre com muito receio me aproximava, mas tentava manter algum controle sobre as minhas emoções e não deixar transparecer toda a paixão que sentia.

PUBLICIDADE

Não sei se acredito em algo divino, no destino, no universo ou nas energias, mas inúmeras vezes quando uma leve brisa batia eu sentia o seu cheiro, como se ele estivesse ao meu lado, apesar de ainda não termos nos tocado, minha memória havia gravado o perfume que o seu corpo exalava no dia em que nos conhecemos, e cada vez que lembrava daquele aroma, desejava e ansiava pelo beijo que ficara na promessa para o próximo encontro.

Porém, não tive a coragem de dizer-lhe como realmente me sentia; tentava controlar aquele sentimento, achava que era ilusão, uma carência minha, não poderia ser real. ED ria de mim, dizia que eu só estava apaixonada, não era para ter medo, o Avassalador demonstrava todo o seu desejo, e aquela sensação não era só minha, estávamos os dois apaixonados.

Após algumas semanas nos encontramos, estávamos com amigos, sentamo-nos todos juntos, parecíamos tão sintonizados que até as cores de nossas roupas eram iguais, o que foi motivo de observação e brincadeiras. A noite foi muito agradável, nos divertimos e conversamos muito. Na hora de irmos embora ele se aproximou e disse que precisava de uma carona, pois tinha deixado seu carro em casa, queria estar a sós comigo.

PUBLICIDADE

Dei um leve sorriso e lhe disse que queria o mesmo. Fomos até meu carro e entramos, olhei para o lado e ele me olhava atentamente, sorrindo aproximou-se e levemente me beijou, nos abraçamos com tanta força como se quiséssemos naquele momento juntar nossos corpos em um só, era incontrolável a vontade de união. 

Naquele dia fomos para o seu apartamento, e a junção de nossas peles, cheiros, sabores e sentimentos se concretizaram, nos tocávamos com tanto desejo, que senti, no encontro de nossos corpos, o quão sublime foi aquele instante, tanto que transcendia nossa matéria corpórea e era quase como se estivéssemos fazendo uma oração.

O café da manhã foi maravilhoso; acordar ao lado dele, ver seu rosto sonolento e o sorriso em seus lábios me contemplou; conversamos enquanto eu tomava um café; parecia como se estivéssemos juntos há anos. Olhava para ele e não conseguia pensar em mais nada, apenas admirar cada palavra dita, cada gesto, o brilho nos olhos e até mesmo o bocejo que dava porque ainda estava cansado.

PUBLICIDADE

Estava na hora de ir embora, precisava ir para o consultório, tinha uma paciente no fim da manhã. Nos despedimos, entrei no carro e fui para casa; quando cheguei já havia uma mensagem dele me dizendo para ter um bom dia e que ao final da tarde iria a minha casa para que pudéssemos matar a saudade que já deixara quando parti.

Andei nas nuvens o dia todo, não conseguia me concentrar em nada, o cheiro dele estava presente em mim, minha mente voltava a todo instante ao momento em que nos unimos. Olhava o relógio a cada minuto, ansiosa para chegar o horário em que novamente iriamos nos conjugar e comungar nossos corpos.

Não preciso dizer o quanto foi maravilhoso estarmos juntos novamente. Os dias se passaram e a intensidade da minha paixão aumentava absurdamente, mas infelizmente o pânico de repetir o passado me atormentava, porém dessa vez sentia que eu me aprisionava, não era algo dele; o encarceramento partia de mim, a confusão se instalava e a paixão se misturava a dor da possibilidade de voltar a cumprir a pena de prisão. Não conseguia ver que talvez ali não existiriam as celas, gaiolas ou tesouras que de alguma forma podariam as minhas asas.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email