Avaliação da campanha

Esta foi a champanha mais subrepublicana, subpolitica dos ultimos tempos em Recife. De um debate amplo, aberto, laico e de interesse publico virou, no segundo turno uma torrente de acusações pessoais

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Esta foi a champanha mais subrepublicana, subpolitica dos ultimos tempos em Recife. De um debate amplo, aberto, laico e de interesse publico virou, no segundo turno uma torrente de acusações pessoais, envolvendo o nome do pai, da mãe, do avô, em torno de questões de fe honestidade, preconceito, juventude, genero etc. Pode-se dizer que três coisas tomaram conta dessa champanha: o familismo amoral, a judicialização dos atos de campanha, e o tom marrom, de intrigas, fofocas, fake news, calúnias, injúrias e difamação. Surpreende como um candidato tão jovem (e de pedigree político) tenha se tornado tao matreiro/arteiro em baixarias, insultos, ofensas e agressões a, aliás, uma prima. 

Vão dizer que é tudo culpa dos marqueteiros que comandam a campanha com plenos poderes  conferidos pela matriarca campista. Isto não muda em nada a responsabilidade civil e penal de quem consentiu e foi beneficiado no segundo turno por uma estratégia tão torpe, tão vil, antipolítica, que beira a um falso moralismo de igreja pentecostal. 

Se por desventura, tal candidato ganhar, já se sabe a marca, o selo dessa gestaão: tão imunda e mentirosa como aquela que ele dará continuidade.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247