Baderna do avião em Vitória mostra que o presidente já faz o que quer

Para Gilvandro Filho, do Jornalistas pela Democracia, a atitude de Jair Bolsonaro, que não respeita os mortos da COVID-19, de entrar em um avião de carreira, sem que fosse viajar, "deve ser motivo de investigação e deve ser denunciada com rigor"

Bolsonaro em voo de Vitória, ES
Bolsonaro em voo de Vitória, ES (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Gilvandro Filho, para o Jornalistas pela Democracia

Se não estivéssemos na beira do precipício político, com a democracia pedindo socorro e o país sem rumo, a pergunta que todos estariam se fazendo hoje era: com que direito o presidente da República entra em um avião de carreira, já que não iria viajar, com equipes de segurança e de imprensa, pagas com dinheiro público? Tudo para reunir meia dúzia de aspones e fazer uma campanha eleitoral extemporânea, em meio a uma pandemia que, nesta semana que entra, completará 500 mil mortes em todo o país.

O ato absurdo e irresponsável aconteceu nesta sexta-feira, no Espírito Santo, onde o presidente foi flanar, mais uma vez, ignorando  o morticínio de brasileiros que tem raízes no seu governo e no que ele deixou de fazer para contê-lo. Sem máscaras, o que contraria uma lei estadual, o presidente e seus apoiadores fizeram uma campanha acintosa no aeroporto local. Promoveram aglomeração, xingaram adversários políticos e gargalharam muito como se no país que eles estão arregaçando houvesse, hoje, motivos para rir.

Onde estava a direção da Azul Linhas Aéreas que permitiu que um elemento estranho ao voo perturbasse a tranquilidade dos passageiros – pelo menos daqueles não entraram na onda daquele ato insano? A empresa deveria ter coibido a entrada ou, pela impossibilidade de peitar o “chefe da nação”, ter acionado a Polícia Federal, a quem cabe lidar com perturbadores e fora-da-lei que atrapalham a paz dos aeroportos. E o que fará a empresa aérea com sua tripulação que, em vez de reagir e proteger seus passageiros, foram tirar selfies com a comitiva presidencial, ora em momento de atividade no mínimo suspeita?

Onde está o consórcio Aeroportos do Sudeste do Brasil (Aseb), do grupo suíço Zurich Airport, responsável, desde março de 2020, pelo aeroporto de Vitória? A unidade, a partir de agora, fica sujeita a todo tipo de invasão por parte de grupos políticos que quiserem fazer atos como o que se viu nesta triste sexta-feira.

A atitude do presidente da República, que não respeita os mortos da COVID-19, deve ser motivo de investigação e deve ser denunciada com rigor. Ocorreu um dia depois de ele ter tentado aumentar a crise sanitária ao contar – rindo, como sempre – que seu ministro da Saúde, um “tal de Queiroga”, iria abolir a máscara para quem se vacinou ou se infectou com o vírus.

O ato danoso e nocivo à saúde pública, praticado pelo presidente da República, mostra que ele faz o que bem entende, sem se preocupar com críticas ou punições. Que ele age como quem encontra-se com um golpe de estado em marcha. Como se a lei não significasse absolutamente nada. Ou fosse, no máximo, um calhamaço inútil que – logo, logo – ele terá debaixo do braço. Ou sob os seus pés.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email