#BanestadoLeaks está mais para #AbestadoFreaks

O linguista Gustavo Conde comenta a não-notícia sobre o Banestado: "o episódio lembra a obra de Cervantes: luta-se com moinhos de vento tão monstruosos quanto imaginários e produz-se uma da mais curiosas pérolas do delírio fetichista em busca de protagonismo"

(Foto: Andre Coelho/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A linguagem é ingrata. Cedo ou tarde, ela acaba desmascarando a picaretagem pretensamente sofisticada que escorre pelas bordas do submundo digital.

A histeria subscrita na tese fraca e fantasiosa do Banestado veiculada por um blog obscuro realmente superou qualquer expectativa.

Tem ali todo o tipo de disfunção narrativa, delírios lisérgicos, megalomanias, narcisismo, egocentrismo, prepotência e síndrome de autopiedade.

Superou até os terraplanistas.

Fujam disso, por favor.

E nem é o problema do Banestado em si, é a carência do plano enunciador querendo a atenção de tudo e de todos, a qualquer custo. 

Vou desenhar para que não paire dúvidas: o problema está na forma e no desejo desmesurado pela propriedade da razão e da verdade. 

Que o Banestado é uma caixa-preta a ser investigada, até as emas inquietas do Palácio da Alvorada sabem. 

 A questão é: que tipo de onda que se pretende surfar?

O episódio do #BanestadoLeaks (que pretensão, oh my god!) lembra a obra de Cervantes: luta-se com moinhos de vento tão monstruosos quanto imaginários e produz-se uma da mais curiosas pérolas do delírio fetichista em busca de protagonismo de todos os tempos. 

Há, nessa tragédia, uma lição: ela oferece à história, mais uma vez, a possibilidade de se separar o joio do trigo.

Ver uma tese agonizar antes de nascer e fazer "sucesso" é um aprendizado amargo, mas um aprendizado. 

Em meio à pandemia, a golpes genocidas e a carências intelectuais múltiplas, muitos vão ficando pelo caminho.

Assista a Live do Conde sobre o assunto: 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247