Barroso mandou prender antes de interrogar

O jornalista e colunista do 247 Alex Solnik destaca que "o Ministro Luiz Roberto Barroso não agiu de acordo com o artigo 5º. da constituição, o dos direitos fundamentais do indivíduo, pilar da nossa carta magna, ao autorizar a prisão temporária de 13 pessoas envolvidas com Temer em tenebrosas transações"; "Como o instrumento da condução coercitiva, que seria o apropriado nesse caso foi proibido monocraticamente pelo ministro Gilmar Mendes e aguarda decisão definitiva do plenário, Barroso optou pelas prisões provisórias", diz Solnik; "Em vez de mandar interrogar antes de prender, ele mandou prender antes de interrogar. O precedente é perigoso. Vai que a moda pega", completa

Barroso mandou prender antes de interrogar
Barroso mandou prender antes de interrogar (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O ministro Luiz Roberto Barroso não agiu de acordo com o artigo 5º. da constituição, o dos direitos fundamentais do indivíduo, pilar da nossa carta magna, ao autorizar a prisão temporária de 13 pessoas envolvidas com Temer em tenebrosas transações.

A chefe da PGR, Raquel Dodge queria que os envolvidos fossem interrogados simultaneamente e não presos, para atender a pedido da investigação da Polícia Federal.

Como o instrumento da condução coercitiva, que seria o apropriado nesse caso foi proibido monocraticamente pelo ministro Gilmar Mendes e aguarda decisão definitiva do plenário, Barroso optou pelas prisões provisórias.

Decidiu pelo mais e não pelo menos, em desfavor do indivíduo.

Em vez de mandar interrogar antes de prender, ele mandou prender antes de interrogar.

O precedente é perigoso. Vai que a moda pega.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247