Batalha cibernética de 2022: o encontro do poder das finanças digitais com as eleições digitalizadas

"Movimentos de TSE trazem evidências sobre suas limitações na atuação nestes dois campos: finanças e campanha/marketing digital", diz o colunista Roberto Moraes

www.brasil247.com -
(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil | Pixabay)


No mundo contemporâneo já deixou de ser novidade falar que o dinheiro se tornou virtual e as finanças digitais. Pouco dinheiro passa pelos bolsos e mãos das pessoas que usam cartões, APPs de bancos, fintechs, Pix, etc. As transformações seguem velozes e quase não se percebe que a concordância e o aceite para a consecução destas mudanças, se ancoram numa espécie de confiança no sistema utilizado.

Sistema já amplamente aceito e utilizado, mesmo que baseado em abstratas informações, dados e algoritmos que movem o capital financeiro. Sistema que é muito pouco conhecido, mas confiável para a maioria, que pouco teme pelos seus riscos e suas instabilidades, na guarda do seu dinheiro, que se tornou agora não apenas virtual, mas digital e acessível através de redes.

Também sabemos que os instrumentos financeiros são cada vez mais digitais e servem mais amplamente ao andar de cima, que paga caro para que essa esta dominação tecnológica-digital se estabeleça e se amplie junto com seus lucros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Passemos agora das finanças digitais para os sistemas eleitorais nacionais que administram a escolha dos representantes do povo mundo afora. As eleições como toda a sociedade entram cada vez mais em amplos processos de digitalização.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As eleições nacionais são muito mais sujeitas aos descaminhos da pressão financeira e da propaganda falsa (fake news) do que os pleitos locais, onde o conhecimento das pessoas e fatos é mais fácil de ser checado e questionado pelos eleitores. 

Sobre a digitalização das eleições, não estou me referindo à votação com as urnas eletrônica, já objeto de amplos debates e esclarecimentos, mas ao processo cibernético das campanhas como um todo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As fake news e a relação profunda, direta e submersa desta com o mundo as finanças. Embora, hoje se tenha proibição do financiamento eleitoral das empresas, aquilo que ocorre no submerso mundo da internet profunda (deep web) é difícil de ser monitorado em termos de financiamento direto e/ou cruzado.

Trata-se de um processo complexo e cheio de tecnicalidades. Difícil de ser acompanhado ou analisado pela imensa maioria da população – e mesmo de técnicos e especialistas - que desconhece os meandros e os intestinos que une o universo das técnicas financeiras digitais com o financiamento e a comunicação na internet.

Se antes no Brasil, a atenção central da Justiça Eleitoral era com o financiamento irregular das campanhas e com o abuso do poder econômico, agora em 2022, as preocupações estão em grande parte voltadas para a batalha cibernética que se apresenta para as eleições de outubro. A transparência e o controle são dependentes de grandes corporações (Big Techs), cujas sedes estão fora do país e que sempre colocam seus ganhos e interesses acima das preocupações dos estados-nações e de suas populações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Porém, mais importante é observar que os riscos dos desvios e instabilidades não são apenas da comunicação digital entre campanhas e eleitores, como o uso intensivo de fake news nos aplicativos de mensagens, mas também o financiamento para uso de robôs, esquemas de algoritmos e impulsionamentos digitais que, como vimos em 2018, foram sustentados por grupos empresariais – em parte instalados em servidores digitais fora do país - e que desnudaram a ilegal e submersa relação entre as finanças (poder econômico) e as eleições digitalizadas.

Os movimentos da justiça eleitoral (TSE) trazem evidências sobre suas limitações na atuação nestes dois campos: finanças e campanha/marketing digital que se encontrarão nas eleições de outubro. O resultado disso pode ser o de proteger e garantir o interesse democrático de escolha dos eleitores, ou, o de escancarar a conhecida e antiga relação entre poder econômico e político com uso das finanças e da campanha irregular em eleições cada vez mais digitalizadas.

A sugestão é para que os partidos e lideranças políticas progressistas se organizem para além da Justiça Eleitoral, de forma a garantir o resultado democrático das urnas, quando que se espera que os eleitores no voto retirem o país do atual desmonte e da ampliação da ameaça fascista, retomando a reconstrução de projeto nacional para o nosso querido Brasil. A ver! 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email