Beirute serve de alerta para os riscos das cidades portuárias

"Beirute é mais um exemplo que serve de alerta para os diversos terminais portuários no Brasil e também para o Porto do Açu no Norte do Rio de Janeiro", escreve o engenheiro e professor do IFF Roberto Moraes

(Foto: Reprodução/Twitter/André Fran)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Cidades portuárias devem se cuidar. Elas possuem riscos, bem para além do potencial econômico vinculado à logística e de arrecadação de impostos.

O que se faz ou se deixa fazer nos terminais portuários é de interesse de todos, em especial das populações circunvizinhas e não apenas dos seus donos. Nunca se deve esquecer disso.

Portos privados tendem a se fechar em si, como enclaves, negando acesso a informações para além do que chamam de burocracia para os licenciamentos de construção e operação. 

As fiscalizações estão ficando cada vez mais frágeis por parte dos órgãos governamentais e das agências de regulação, dentro dessa lógica ultraliberal e autodeclaração dos riscos por parte dos operadores portuários. 

Os riscos crescem quando se movimentam e se armazenam cargas de produtos químicos, derivados de petróleo e gás natural. O Brasil já passou por outros casos preocupantes no Porto de Santos. Beirute é mais um exemplo que serve de alerta para os diversos terminais portuários no Brasil e também para o Porto do Açu no Norte do Rio de Janeiro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247