Bené, a vacina contra o ódio

Diante das ameaças existenciais representadas pelo fascismo e pela pandemia, o voto pode ser uma afirmação democrática histórica e uma vacina contra o ódio. Por isso, Bené na veia

Benedita da Silva
Benedita da Silva (Foto: Reprodução/Facebook)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Na eleição do Rio, decidi votar em mulheres negras, porque é o mínimo que posso fazer para valorizar a luta feminista antirracista, que hoje se confunde com a luta por democracia. Sou homem branco de classe média, duplamente privilegiado, portanto. Não se trata de culpa pequeno-burguesa, mas do mero reconhecimento da realidade em que vivo e da vontade de ser coerente. 

Dei minha modesta contribuição à resistência contra a ditadura e, depois de 1988, procurei fazer o que podia para bloquear o genocídio de jovens negros e de jovens pobres pelo braço armado do Estado, articulado a dinâmicas fratricidas alimentadas pelo capitalismo selvagem que degrada a vida social. 

Hoje, temos duas candidatas negras à prefeitura que merecem minha admiração, Benedita da Silva e Renata Souza, ambas com vices notáveis: a incansável enfermeira Rejane e meu querido amigo Ibis Pereira. Infelizmente, a política partidária as separou. Como não posso votar nas duas, escolho Bené, aquela que há mais tempo está no front, com a bravura de sempre, e que tem mais chances de agregar e disputar com o bolsonarismo e os diversos tons da ambivalência. 

Nunca vou esquecer o impacto que foi ouvi-la pela primeira vez, em 1982. Aquela emoção é a mesma que sinto hoje quando a ouço. Bené não mudou, jamais se vendeu, nunca se iludiu com os cantos de sereia do poder e do dinheiro. Bené não mudou, nem o Rio, apesar de tudo o que ela e tanta gente tentou fazer. 

Benedita está na estrada há quarenta anos, falando de racismo e desigualdade, confrontando o machismo e todo tipo de preconceito, sem jamais perder a ternura e a disposição generosa ao diálogo. Diante das ameaças existenciais representadas pelo fascismo e pela pandemia, o voto pode ser uma afirmação democrática histórica e uma vacina contra o ódio. Por isso, Bené na veia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247