Biden presssiona Bolsonaro a romper com Putin

"Aumentará ou não a escassez interna com aceleração consequente de preços e desemprego? Tudo é imprevisível na guerra", escreve César Fonseca

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Joe Biden
Jair Bolsonaro e Joe Biden (Foto: REUTERS/Adriano Machado | REUTERS/Leah Millis)


Por César Fonseca 

O objetivo central de Joe Biden agora é compensar os europeus pela perda inflacionária do abastecimento do petróleo russo, devido às sanções econômicas americanas à Rússia; tenta garantir a eles o abastecimento do produto extraído do pré sal no Brasil. Biden joga Brasil de chofre na nova geopolítica americana na guerra na Ucrânia; o presidente capitão é convocado, imperialmente, pelo imperador, a elevar exportações para a Europa, sem se preocupar com as consequências para o mercado interno; aumentará ou não a escassez interna com aceleração consequente de preços e desemprego? Tudo é imprevisível na guerra. Uma coisa é certa: não se pode esperar o melhor, mas o pior, no curto prazo de instabilidade mundial total.

Biden já pressiona Bolsonaro nesse sentido, o que tende a levar o Brasil a se engajar na estratégia da OTAN de manter máxima pressão sobre a Rússia; o chefe da Casa Branca quer, sobretudo, que o Brasil garanta substituição do abastecimento russo pelo abastecimento brasileiro e latino-americano; engajariam nessa tarefa Brasil, Nicarágua e México, segundo defende Biden.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Novo cenário, novas tensões; estaria dessa forma assegurada substituição do petróleo russo pelo latino-americano, na tarefa de abastecer Europa? Pintaria, como defende o império de Tio Sam, grande aliança atlântica, em plena guerra da Ucrânia, para polarizar com a união China-Rússia e Ásia?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

POLITIZAÇÃO DA GUERRA

Ganharia fôlego os BRICs, do qual Brasil é idealizador, e o assunto, em campanha eleitoral, ganha fôlego; se Bolsonaro submeter-se à pressão de Biden, Lula esquentaria ou não o discurso pelos BRICs, polarizando, internamente, a guerra geopolítica EUA x Rússia-China; em contrapartida, Bolsonaro e forças armadas brasileiras poderiam se engar nas forças imperialistas americanas?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O eixo da economia será ancorado nas exportações do petróleo para Europa a partir de agora? A mudança de rumo da Petrobrás, no calor da guerra, já está sendo dada pelo novo presidente, Adriano Pires, lobista pela privatização da empresa, no curto prazo, como já admite, também, o presidente Bolsonaro.

Desenha-se guerra econômica; a viagem relâmpago do comandante do Exército Paulo Sérgio Nogueira aos Estados Unidos para receber as orientações americanas ao governo para condução na nova  política geopolítica do petróleo para a América Latina é o fato novo na política de segurança dos Estados Unidos para a América Latina.

O choque entre duas orientações conflitantes entrou em cena. O governo tem que dizer se vai atender Biden ou Putin; está em questão a opção brasileira para geopolítica nacional: marchar para e com a América do Norte ou para e com o Leste e a Ásia, superpotência emergente, com a unidade Rússia-China-Ásia?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

PRIORIDADE DO IMPÉRIO

Qual será, a partir de agora, a prioridade: usar a Petrobrás para alavancar a indústria nacional ou reprimarizar a atividade petroleira? Agregar valor industrial ao produto primário a fim de produzir emprego de qualidade e desenvolvimento econômico sustentável ou submeter-se à recolonização extrativa mineral?

Essencialmente, a prioridade passa a ser exportações, não o mercado interno; este fica para segundo ou terceiro plano, enquanto os esforços forem canalizados para salvar os europeus da crise de abastecimento inflacionário. Quanto tempo durará essa opção geopolítica negativa para a industrialização brasileira? Novas circunstâncias em cena.

Se Biden não garantir aos europeus o completo abastecimento por meio de oferta brasileira e latino-americana, capaz de socorrê-los, emergencialmente (por quantos anos?), a Europa tenderia abandonar OTAN; propenderão ao Leste e à Asia, coordenadas pela China-Rússia, para se ligar mais ao Leste e à Ásia? Afinal, estarão lá as fontes de comércio, indústria e finanças no mundo pós globalização unilateral.

UNILATERALISMO X PLURILATERALISMO

 A Europa busca já furar o bloqueio americano a Putin, cuja ação estratégia é forçar o plurilateralismo para a pós-globalização, rompida hegemonia neoliberal norte-americana; a realidade não cabe mais na fôrma do neoliberalismo unilateral; a implosão do unilateralismo está acontecendo na Ucrânia e Putin, nessa disputa, sai por cima, por dispor de poder militar e econômico ancorado em nacionalismo russo; estimulado por nova força russa, Putin ensaia desdolarização da economia mundial; só recebe agora rublo pelas mercadorias russas. A desdolarização da economia mundial passa a fazer parte do plurilateralismo.

A força de Putin se faz sentir brutalmente no mercado monetário que abala a estrutura básica do sistema financeiro internacional ancorado no padrão-dólar. Ao exigir rublo para vender suas mercadorias, cria-se moeda, estimula mercado de moedas paralelo no compasso da instabilidade crescente do dólar; o dólar desperta desconfiança, enquanto fortalecem moedas ancoradas em riquezas reais, caso russo, que Putin potencializou politicamente, com a força das armas. Zelensky, presidente da Ucrânia, rendeu-se à nova realpolitik.

POLITIZAÇÃO DA PRIVATIZAÇÃO

 O governo Bolsonaro diante do cenário mundial fica entre ter que optar por Putin ou por Biden, numa polarização semelhante à que vai se configurando no plano político brasileiro; não há lugar para terceira opção, bolsonarismo x lulismo, como demonstra a desarticulação estrondosa do PSDB.

Petrobrás esquentará campanha eleitoral; sociedade aceitaria suposta opção de Bolsonaro de exportar todo o petróleo do pré sal, como quer Biden, para salvar a Europa, fragilizada diante da Rússia? 

Qual a posição de Lula, que, no Rio de Janeiro, nesta quarta feira pediu cessar fogo imediato na Ucrânia e defendeu a volta do nacionalismo para administrar a Petrobrás? A pressão de Biden sobre Bolsonaro para garantir exportações para o mercado europeu aceleraria ou não a entrada do Brasil na União Europeia? 

Sairia vitoriosa ou não a geopolítica de Biden de encanar o Brasil na União Europeia - e quem sabe à OTAN - para engordar bloco ocidental contra Vladimir Putin e Xi Jiping?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email