Bolsonaro deveria aprender com Trump

"Os povos civilizados repudiam ditadores, podem até votar pela primeira vez num cara com essa índole, mas ao perceberem que ele quer dominá-los e não governá-los em seu nome, invariavelmente os mandam para casa, por meio do voto seguinte", escreve o jornalista Alex Solnik

A morte do Brasil
A morte do Brasil (Foto: KEVIN LAMARQUE)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Foi aquilo que se costuma chamar “bola de neve”.

Às 11 da manhã a CNN anunciou que Biden era o 46o. presidente dos Estados Unidos.

Poucos minutos depois outras emissoras e jornais confirmaram a notícia. Alguns com números um pouco diferentes, até mais favoráveis a Biden, mas todos de acordo numa coisa: Trump não tinha mais chance, pois o democrata obtivera mais de 270 votos no colégio eleitoral.

Não havia dúvida quanto a isso. Até mesmo a insuspeita Fox, que nunca escondeu sua preferência por Trump, fez coro à maioria. Tal como o New York Times, a BBC, a NBC, a AP, a Reuters.

Não demorou meia hora até multidões começarem a lotar as ruas de Washington e outras grandes cidades onde a festa tinha de bandeiras a danças improvisadas, buzinaço. Não dá para chamar de carnaval, mas a alegria pela vitória de Biden era indiscutível.

Nos minutos seguintes começaram a pipocar mensagens de chefes de estado. Trudeau, Macron, Merkel, Boris Johnson, Alberto Fernandez. O mundo reconheceu rapidamente o novo presidente.

A notícia alcançou Trump enquanto jogava golfe em um de seus 17 campos. Voltou, às pressas, à trincheira na Casa Branca, de onde disparou vários petardos ao léu, alegando que o vencedor era ele. Mas era tarde demais.

Ninguém deu bola porque todos já sabem que ele é um leão sem dentes e só o que lhe resta é desfrutar da melhor forma possível os últimos dias a que tem direito na Casa Branca.

Um leão sem dentes pode até rugir, mas não morde.

Eis aí uma lição que Bolsonaro deveria aprender com Trump: os povos civilizados repudiam ditadores, podem até votar pela primeira vez num cara com essa índole, mas ao perceberem que ele quer dominá-los e não governá-los em seu nome, invariavelmente os mandam para casa, por meio do voto seguinte.

O que ocorreu com Trump em 2020 pode se repetir com Bolsonaro em 2022.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247