Bolsonaro iniciará campanha em Juiz de Fora para trazer à tona caso que gerou censura à TV 247

Presença de Bolsonaro na cidade mineira procura reforçar mensagem de que representa o bem na luta contra o mal, o que foi facilitado com censura do documentário

www.brasil247.com - Joaquim de Carvalho, facada em Bolsonaro e Adélio Bispo
Joaquim de Carvalho, facada em Bolsonaro e Adélio Bispo (Foto: Eric Araújo | Reprodução/TV Globo | PMMG)


Por Joaquim de Carvalho

Jair Bolsonaro iniciará oficialmente a campanha à reeleição por Juiz de Fora, cidade onde houve o espisódio da facada ou suposta facada, em 2018.

Segundo a Folha de S. Paulo, a escolha da cidade se deve ao fato de que Bolsonaro tenta transformar o processo eleitoral numa narrativa do bem contra o mal.

Aliados consideram o local simbólico -- prossegue o jornal -- e dizem que o ato foi pensado para representar o "renascimento" do chefe do Executivo.

Em seguida, a Folha toca no ponto central:

Suas fontes manifestaram a convicção de que a ida a Minas Gerais "no primeiro dia de campanha reforçará a lembrança de que Bolsonaro foi vítima de um grave ataque que colocou em risco sua vida, o que consideram que ajudará a esvaziar o discurso de que o mandatário estimula a violência política."

A mensagem que Bolsonaro pretende imprimir à campanha foi facilitada pela censura de que a TV 247 -- e eu pessoalmente -- foi alvo por parte do YouTube, dias antes do início da campanha.

O documentário censurado, "Bolsonaro e Adélio - Uma fakeada no coração do Brasil", de minha autoria e de Max Alvim, mostra a inconsistência da versão oficial do episódio.

Adélio não era o militante de esquerda apresentado no inquérito da Polícia Federal. Ele tinha sido filiado ao PSOL, mas sua militância recente o ligava ao PSD de Uberaba, controlado por ruralistas.

Como pregador evangélico, Adélio também defendia bandeiras bolsonaristas, como combate ao projeto que criminaliza a homofobia e a defesa da redução da maioridade penal.

O documentário mostrou que a Polícia Federal desprezou a linha do autoatentado, apesar de haver indícios nesse sentido, como a frequência de Adélio ao clube de tiro .38, no mesmo dia em que Carlos Bolsonaro esteve lá.

Bolsonaristas tentaram derrubar o documentário pela via judicial, mas não conseguiram. Nenhum juiz concedeu a medida, o que foi feito com a decisão de uma das maiores empresas privadas do mundo, que controla o YouTube.

Em Juiz de Fora, Bolsonaro fará também uma motociata, em que poderá desfilar como uma espécie de vítima da luta do bem contra o mal.

Agora, em vez do Véio da Havan, ele terá na garupa, metaforicamente, uma big tech. Ou vice-versa.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email