Bolsonaro põe direita em xeque e favorece reeleição

A esquerda ficou, agora, numa sinuca de bico. Bolsonaro resolveu barrar aumento do diesel e da gasolina acima da inflação, como fazia Dilma, como fez Lula. Que diz a esquerda, agora, diante desse fenômeno, em que a direita vira esquerda, para não se lascar com a população?

Bolsonaro põe direita em xeque e favorece reeleição
Bolsonaro põe direita em xeque e favorece reeleição (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A esquerda ficou, agora, numa sinuca de bico; a direita lançou mão da prática adota por ela, para tocar a economia, como está sendo o caso do reajuste de preço dos combustíveis; Bolsonaro resolveu barrar aumento do diesel e da gasolina acima da inflação, como fazia Dilma, como fez Lula; que diz a esquerda, agora, diante desse fenômeno, em que a direita vira esquerda, para não se lascar com a população, cuja saúde financeira, na recessão e no desemprego, não suporta mais a exploração, que vem sendo imposta pela Petrobrás dominada pelos ultraneoliberais?

Populismo de direita ou de esquerda?

Engraçado; quando o governo adota posição que favorece a população, é populista; mas, quando atende interesse dos capitalistas, é racional, sintoniza-se com o mercado, etc e tal.

O reajuste nos preços dos combustíveis é bastante didático e marca guinada do governo de direita: se o presidente voltar atrás para atender os ultraneoliberais de Paulo Guedes, entra em desgraça popular; se insistir que o preço dos combustíveis deve ser reajustado pela inflação e não pelo dólar bombeia sua reeleição, da qual já se fala.

A política entrou em cena na economia: o trabalhador ganha seu salário em real, mas é obrigado a pagar gasolina e diesel em dólar, pois seus preços são calculados pela variação da moeda americana e do petróleo no mercado internacional, sujeito a todo o tipo de especulação.

Por que os salários, também, não são reajustados pelo mesmo critério: sobem o dólar e petróleo, sobe, também, o salário, mas manter sua paridade de compra?

Arrocho salarial

Taxam Bolsonaro de populista, porque reagiu contra o aumento de 5,7% do diesel, enquanto a inflação, nesse ano(janeiro/março), está em 1,5% e em 12 meses, 4,8%; numa só pancada, a Petrobrás, orientada não pelo seu sócio majoritário, o governo, ou seja, o povo que o elegeu, mas pelo seu sócio minoritário, o setor privado, puxou a cotação bem acima da inflação; com isso, arrocha salários dos consumidores assalariados.

Em 3 meses, já foram reajustados os preços do diesel em 15% e a gasolina em 21,7%; os salários, reajustados pela inflação, em 1,5%, perderam 20% para os preços da gasolina, reajustados em 21,5%; já, para o diesel, a perda foi de 13,5%.

Quem está pressionando a inflação: os salários que correm atrás, bem atrás, dos preços dos combustíveis, ou a política da Petrobrás, sintonizada com o mercado internacional?

A estatal, na mão do interesse privado, dolariza a inflação travestida de real.

Bolsonaro, contra os neoliberais, defendeu o interesse público.

Ataque ao capital

Essa desproporção(público versus privado) se espalha na formação dos preços em geral, impondo prejuízo ao trabalho e privilégio ao capital; o salário mínimo, por exemplo, está, desde o golpe neoliberal de 2016, na vigência da reforma trabalhista, desvinculado da inflação; predomina o negociado no lugar do legislado; o trabalhador entra com o pescoço, o capitalista, com a faca afiada.

Igualmente, o preço mais importante da economia, o do dinheiro, o juro, é comandado pela mesma filosofia; o juro básico, Selic, que reajusta a dívida pública, pelos banqueiros, está em 6,5% contra inflação de 1,5%, de janeiro a março; já os juros do cartão de crédito estão na estratosfera, na casa dos 300%.

Outro absurdo: de seis em seis meses, regularmente, os capitalistas correm a pedir ao governo perdão de impostos, porque a economia, parada, diante da desproporcionalidade entre preços e salários, impõe insuficiência generalizada de consumo; sem demanda, o capital descola da produção e vai para bolsa ganhar na especulação.

Os empresários, com suas contas fiscais deterioradas, pedem refinanciamento de tributos(Refis); estão viciados nisso; são bilhões e bilhões de reais perdoados; isso é ou não populismo?

Cogita-se, nesse momento, de novos perdões, para agricultores, que alcançam R$ 300 bilhões; tenta-se, dessa forma, aliviá-los e atraí-los para apoiar o desmonte do sistema de seguridade social, cujas consequências serão mais insuficiência de consumo, pois os mais pobres serão os mais prejudicados, trabalhando mais e recebendo menos, conforme proposta governamental.

Concentração de renda permanente
Os industriais, da mesma forma, são premiados por Refis continuados; livram-se de cargas tributárias diretas e indiretas; enquanto isso, os trabalhadores suportam sistema tributário regressivo, expresso na cobrança exagerada de impostos sobre os produtos que mais consomem; enquanto isso, os capitalistas sonegam, não pagam impostos sobre lucros e dividendos, nem são afetados em suas fortunas, sempre livres do leão da receita federal etc.

Pratica-se ou não, dessa forma, descarado populismo para favorecer os de cima contra os de baixo?

As benesses aos capitalistas garantem a taxa elevada de lucro deles; há 35 anos, desde o Plano Real, baixado em 1994 pelos tucanos, o BC fixa a taxa de juros acima do crescimento da economia; tremenda transferência de riqueza dos mais pobres assalariados para os mais ricos rentistas.

O BC é o grande agente populista para os capitalistas

Nova macroeconomia

Tal política monetária, porém, não vigora mais nos países capitalistas desenvolvidos, depois do crash de 2008; governos cronicamente endividados não suportam mais juros positivos, sob pena de o capitalismo implodir; por isso foi aos ares a teoria furada de que inflação decorre de excesso de demanda, a exigir juros altos para combate-la.

O excessivo endividamento governamental, produzido para transferir renda aos capitalistas requer, agora, juro zero ou negativo, senão, implode.

Eis a nova macroeconomia, que está dando as cartas na luta política dos democratas americanos, para enfrentar Trump nas eleições de 2020.

A jogada, agora, é ampliar a oferta monetária, mas manter juro na casa dos zero ou negativo, para evitar implosão hiperinflacionária via estouro de dívidas; o populismo financeiro visa salvar os credores do governo dando-lhes mais dinheiro, porém, sem juro positivo.

Ninguém segue mais a receita neoliberal; só no Brasil, terra da desigualdade social; os economistas criadores do real, como Lara Resende, fazem mea culpa.

Passaram a falar que a inflação é produzida pelo juro alto, que, ao impactar dívida pública, inviabiliza o capitalismo, se a elite financeira continuar praticando juro acima do crescimento da economia.

Está, portanto, em xeque o populismo financeiro bancado pelo estado, para privilegiar ricos; estes não têm moral nenhuma para acusarem o populismo de Bolsonaro para evitar arrocho salarial mediante aumento de combustível acima da inflação.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247