Bolsonaro tinha obsessão em trocar diretor da PF do Rio

"Não haveria outra razão para a troca senão controlar a superintendência em questão para ter controle sobre o andamento desses processos", escreve o jornalista Alex Solnik sobre o depoimento de Sérgio Moro

(Foto: ABr | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia 

Não há nada de muito explosivo no depoimento de oito horas que Moro prestou à Polícia Federal de Curitiba no sábado e que hoje vazou para a imprensa, o que levou muitos analistas a concluírem, que a montanha pariu um rato, ou melhor, Moro pariu um rato.

É apenas um relatório de dez páginas com maiores detalhes do discurso de Moro ao se demitir, no qual os trechos mais intrigantes dizem respeito à insistência de Bolsonaro, mais que insistência, uma verdadeira obsessão em trocar o diretor da PF no Rio de Janeiro, como revela mensagem de whatsapp que Moro recebeu de Bolsonaro durante uma viagem oficial a Washington e que deve ter guardado e apresentado aos delegados do inquérito:

“Moro, você tem 27 superintendências e eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”.

Digo que ele deve ter guardado essa mensagem porque, dada a sua experiência como juiz, não explicitaria uma frase como essa de um presidente da República sem ter como comprová-la.

Não é que na constituição haja algum impedimento para o presidente da República apontar um diretor da PF no Rio de Janeiro, mas é inédito um presidente “querer” uma superintendência para si; quem nomeia superintendente não é o ministro da Justiça, é o diretor-geral da PF, jamais o chefe da nação, e uma obsessão como essa deve ter motivo muito forte que só o ainda presidente pode revelar, mas  em se sabendo que no Rio de Janeiro correm processos envolvendo seu filho Flávio na rachadinha da Assembleia e a investigação sobre o assassinato de Marielle Franco, que já resvalou na sua família, não haveria outra razão para a troca senão controlar a superintendência em questão para ter controle sobre o andamento desses processos.

A obsessão era tanta que a primeira coisa que o novo chefão da PF fez, minutos depois de assumir, foi cortar a cabeça de Carlos Henrique de Oliveira.

Em vários trechos do interrogatório Moro responde “isso tem que perguntar ao presidente”, como que forçando a barra para Bolsonaro ser chamado a depor.

Augusto Aras, o chefão da PGR não mordeu a isca. Mandou a interrogatório ministros Heleno, Ramos e Braga Netto, além de seis delegados da PF.

Mas poupou o ainda presidente.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247