“Bolsonaro vai renunciar”

Segundo o historiador Carlos D'Incao, após o fracasso da micareta fascista deste domingo (26), Jair Bolsonaro está pronta; "Basta saber quando será o momento de apresentá-la. A ideia é um desembarque antes do dia 15 de junho, após a virada de mais um mês de ingovernabilidade e recessão", diz ele; "Pouco importa se os setores mais reacionários tentarem ainda fazer manobras exóticas para impedir esse processo de derrota neoliberal. As resistências se assemelharão a um corpo se contorcendo enquanto está em queda livre"

“Bolsonaro vai renunciar”
“Bolsonaro vai renunciar”

Tivemos uma manifestação de apoio ao governo fortemente divulgada por todos os meios de comunicação. A ideia de estimular ou desestimular a manifestação de maneira oficial é irrelevante. Tanto a direita como a esquerda fez com que a nação soubesse do movimento.

O resultado foi como o previsto, ou seja, extremamente discreto para um governo que não tem nem 6 meses de vida. A conclusão está posta: o projeto neoliberal é refutado pela esmagadora maioria da população.

Não há nenhum setor produtivo que apoia esse governo, pois a rigor ele existe para destruir esse mesmo setor. Incrivelmente Bolsonaro conseguiu a proeza de colocar no mesmo bloco opositor a ele trabalhadores e empresários.

Ao ver seu capital político esvaziar em progressão geométrica, Bolsonaro agora tenta estancar sua própria sangria fazendo coro contra a "velha política", contra o Congresso, contra o STF, contra a democracia e contra o próprio vice-presidente.

Em suma, fortalece as próprias muralhas que o impediram de governar até então. E assim o faz porque justamente não pretende mais governar. Seu intuito é renunciar e sair como o herói dos seus bovinos seguidores.

Dessa forma, Bolsonaro não quer apenas manter seu patrimônio político, mas também intenta apagar todos os focos de incêndio que estão rapidamente tomando a sala de sua casa. O caso Queiroz, o assassinato da vereadora Marielle e seu envolvimento com as milícias desembocam no mesmo rio sujo de uma família que é a mais perfeita representação política do lumping proletariado.

A sua renúncia está pronta. Basta saber quando será o momento de apresentá-la. A ideia é um desembarque antes do dia 15 de junho, após a virada de mais um mês de ingovernabilidade e recessão.

Não haverá nenhum golpe de Estado e nenhuma pirotecnia janista. O temor de uma esquerda nostálgica não tem fundamentos. Milhões de brasileiros tomarão as ruas no dia 30, em resposta a essa camarilha fascista e ignóbil. Assistiremos a uma manifestação como nunca houve em nossa história.

A renúncia de Bolsonaro será uma grande vitória das forças sociais e produtivas. Vai frear o descalabro neoliberal, a ingerência norte-americana e vai restaurar o diálogo com os setores mais progressistas do país.

Pouco importa se os setores mais reacionários tentarem ainda fazer manobras exóticas para impedir esse processo de derrota neoliberal. As resistências se assemelharão a um corpo se contorcendo enquanto está em queda livre.

Lógico que sempre existe a possibilidade de Bolsonaro não renunciar e esgotar todo o seu capital político ao ponto de se tornar em um personagem execrado e odiado por toda a nação.

Nesse caso as soluções serão mais dramáticas ao ponto de lembrarmos dos tempos da Revolução Francesa. Uma saída tão poética como essa seria impossível... nada humaniza mais um Messias do que uma guilhotina...

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jandira Feghali

O massacre como política

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247