Bolsonaro vira Rainha da Inglaterra

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

NOVA RAINHA DA INGLATERRA

A história vai contar horrores de Bolsonaro, nesse auge da crise do novo coronavirus. Quando ele poderia conduzir, com relativo sucesso um trabalho de equipe, seu ego desaba de ciúme e põe tudo a perder. Enlouqueceu com o aumento da popularidade do ministro Mandetta, da Saúde. Ora, era a popularidade do seu governo, pô. Ele não faturou essa, ferrado pela sua monumental egololatria. Cismou de mandar Mandetta passear, quando a popularidade dele alcançou 76%.

Evidentemente, se tivesse apoiando seu ministro, estaria faturando o mesmo percentual. Mas, não. Revoltou-se contra o seu aliado. Em vez de aproveitar a onda e mobilizar a população para uma luta comum, resolveu rachar o país, para fazer graça aos seus fundamentalistas. Deu ouvido ao louco da Virgínia, Olavo de Carvalho. Lá, dos Isteites, esse maluco estimulou Bolsonaro a demitir o "ministro Punheta". Mandetta ousou contrariar não apenas Bolsonaro, mas o ideólogo Carvalho, terraplanista, que entrou numa de dizer que o novo coronavírus não oferece nenhum perigo.

FAMÍLIA DOIDA

Ao lado disso, os filhos do presidente, esse bando de loucos, como se vivessem no tempo de Torquemada, juntaram ao outro louco de jogar pedra, que é o ministro da Educação, para tentar desancar a China, fazendo discurso encomendado por Trump. Insistem em considerar que os chineses são os criadores e propagadores do novo coronavírus, para destruir o mundo ocidental, posando de nova potência global. Bafafá geral, que interessa ao Dep State americano, que está incomodado com a supremacia comercial chinesa, jogando Estados Unidos para escanteio.Nada mais despropositado e doido, no momento em que a China está vendendo material hospitalar para todo o mundo, a fim de enfrentar o grande perigo virótico. A carga que viria para o Brasil de medicamentos e máscaras, trazidas da China, foram barrados pelos Estados Unidos, que negociaram com o chineses. Se o governo Bolsonaro estivesse de bem com Jiping, possivelmente, esse desastre comercial não teria ocorrido. Agora, outros desastres ocorrerão, certamente, como possíveis suspensões de importação de soja brasileira pela China, que dará preferência aos sojeiros americanos, numa hora em que as finanças nacionais entram em bancarrota, no compasso da recessão/depressão em marcha. É mancada em cima de mancada.

REPÚBLICA PÁRA LUNÁTICO

Por fim, essa reunião de hoje, convocada por Bolsonaro para decidir o destino de Mandetta, como se ele, ainda, mandasse alguma coisa no Planalto para decidir sobre o assunto, levou-o ao atoleiro geral. Evidenciou o óbvio, que o Haitiano havia prognosticado: Bolsonaro já era. O presidente do Senado, Alcolumbre, e o presidente do STF, Tóffoli, entraram em campo. Mandaram recado ao Planalto para não cometer suicídio político, despedindo o ministro mais popular do governo, no momento, só porque o titular do poder, está morrendo de ciúme dele. Somou-se, naturalmente, a essas posições dos titulares dos poderes republicanos, às dos chefes das Forças Armadas, favoráveis às recomendações de Mandetta à população, sintonizadas com Organização Mundial da Saúde. A sociedade está, totalmente, confusa com o lunático no Planalto, que desune o país, caminhando na contramão do mundo, apenas, preocupado com o calendário eleitoral de 2020, sem saber, sequer, se estará vivo até lá, podendo ser liquidado pelo novo coronavírus. É de lascar o cano da botina. Felizmente, depois de hoje, de suas tremendas trapalhadas, parece que seu poder chegou ao fim. Vai continuar mandando menos do que a rainha da Inglaterra.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247