Borba Gato e os pretos inconvenientes

A ação contra a estátua de Borba Gato foi iniciativa de jovens pretos periféricos de São Paulo. O jornalista Mauro Lopes celebra mais essa irrupção da juventude preta na cena política

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Por Mauro Lopes

Jovens negros das favelas de São Paulo organizados no grupo Revolução Periférica irromperam na cena política neste fim de semana e foram os protagonistas do incêncio da estátua de Borba Gato. Um grande viva a eles! 

A consagrada jornalista Laura Capriglione conversou com um dos líderes da Revolução Periférica e ele contou como foi a organização da ação, com uma série de assembleias preparatórias nas favelas (leia aqui).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ação incomodou segmentos da esquerda. Foram dois os argumentos dos incomodados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O primeiro é que o incêndio da estátua atrapalharia a luta contra Bolsonaro porque desviaria atenção das manifestações do 24J e porque abriria o flanco para ataques da direita.

O temor não se concretizou. Só a extrema direita atacou a ação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assistimos a uma situação curiosa na noite de sábado e ao longo do domingo. A mídia conservadora tradicional deu cobertura simpática à ação da queima da estátua de Borba Gato, informando que ele foi um assassino que escravizou, torturou e matou negros e indígenas, estuprando as mulheres. E, sem perder o foco, cobriu também de maneira favorável as manifestações de sábado.

Fiz um levantamento sobre as edições impressas da mídia conservadora. Só a Folha de S.Paulo deu o incêndio da estátua na capa -e, mesmo assim, sem fazer um ataque aberto à ação. Nenhum outro jornal destacou o tema - examinei capas de 26 jornais de todo o país deste domingo e só a Folha destacou o assunto. Vários desses jornais veicularam artigos simpáticos à ação, da mesma maneira que a mídia eletrônica conservadora de uma maneira geral.

O segundo argumento é de que tais estátuas seriam “monumentos históricos”. O argumento é falacioso. Estátuas existem em boa medida para chancelar a vitória de alguém sobre outrem -sim, ao estabelecerem-se como celebração dessas vitórias tornam-se monumentos históricos, mas de uma determinada visão da história. No caso brasileiro, estátuas como essa de Borba Gato existem para celebrar a vitória dos bandeirantes e das elites locais sobre os povos originários e negros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Argumenta-se que o Brasil é o que é em boa medida pela ação dos bandeirantes e que isso seria parte de “nossa história”. Tudo é parte da história. O capitalismo alemão é o que é devido, também, à aceleração da acumulação de capital propiciada pelo período nazista.

É significativo que este incômodo não tenha aflorado enquanto eram derrubadas as estátuas de racistas e “conquistadores” na Europa e Estados Unidos em 2020. Tanto lá como cá a ação contra as estátuas não foi um ato de apagamento da história, mas de escrita da história a partir da perspectiva dos esmagados e esmagadas pelas classes dominantes.

Aqui e ali ainda há os que acusam a ação de “identitarismo”. Essa é uma acusação que está desmoralizada mas ainda ressurge de vez em quando. É algo como dizer que a agenda preta e feminista seria “minoritária” e desviaria a atenção daquilo que “verdadeiramente importa”, a luta de classes. Bem, se há uma agenda de fato identitária -e vitoriosa- no país é a dos homens brancos. São eles que exercem seu poder sobre negros e mulheres. Mulheres e negros são maioria da população. Imaginar que exista uma “luta de classes” dos manuais descolada da opressão contra mulheres, pretos e indígenas é desconhecer por completo o país em que se vive.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A luta de classes expressa-se no Brasil cotidianamente no massacre às mulheres, aos negros, aos povos originários e à massa de explorados e exploradas pelas múltiplas relações de trabalho e poder que permeiam a sociedade. 

Em vez de incomodar segmentos de esquerda, a ação dos jovens pretos das favelas deveria ser celebrada.  

Os jovens pretos inconvenientes incomodaram setores da esquerda estabelecida. Mas ela deverá se acostumar à presença deles na cena política, com sua agenda própria. Em vez de ataques, os jovens pretos periféricos merecem celebração e apoio. 

Inscreva-se no canal de cortes do 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email