Breve análise da pesquisa Datafolha deste domingo

"Independente da opinião popular, enquanto Bolsonaro gozar de apoio dos empresários, banqueiros, agronegócio e das elites militares nada acontecerá, não obstante sua sanha genocida"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A pesquisa de hoje sinaliza que a maioria da população continua teleguiada por sentimentos dúbios: discorda da gestão da crise do coronavírus pelo chefe do Executivo mas, saturada pela disputa política, paradoxalmente, rejeita o afastamento de Bolsonaro.

É importante destacar: em tempos de insegurança e medo, o sentimento de apego ao que existe, por pior que seja, prevalece em relação às incertezas que as mudanças provocam no imaginário popular. Para significativa parte da população, o sentimento é mais ou menos esse: quando o barco está a afundar, sem a presença de alguém que inspire confiança, é melhor manter o comandante, por pior que ele seja.

Mas, por detrás dos   dados da pesquisa, que expressam o retrato de um momento, é preciso deixar claro: nas democracias liberais, onde o poder econômico precede o poder político e a soberania popular, não é o povo que decide a permanência ou não de um governante no poder.

Nessas democracias quem define o governo são as elites econômicas.

Quando tais elites resolveram afastar Dilma Rousseff, sem crime de responsabilidade, o fizeram sem sobressaltos. Criaram um adorno de mobilização social, utilizando em doses cavalares a manobra do discurso anticorrupção para mobilizar parte da população e justificar o golpe.

Quando Michel Temer foi pego nas negociatas com dono da JBS, não adiantou mobilização social e rejeição do seu governo na casa de 80%. Nada aconteceu, porque as elites econômicas neoliberais que o colocaram no poder também   sustentaram seu mandato até o final. E ele passou, garboso, a faixa presidencial para Bolsonaro.

Independente da opinião popular, enquanto Bolsonaro gozar de apoio dos empresários, banqueiros, agronegócio e das elites militares nada acontecerá, não obstante sua sanha genocida.

Somente haverá mudança no comando da nação se, por motivos vindouros à medida que a crise sanitária esgarçar as relações sociais, as elites econômicas resolverem tirar o bode da sala.

Panelaços mostram engajamento cívico da população, mas não mudarão em nada o quadro atual.

Ademais, a postura cambiante dos setores progressistas não sinaliza caminhos seguros, nem à população, nem às elites.

Para quem tem consciência crítica e cívica é óbvio: o ultraneoliberalismo de Bolsonaro e Guedes é incapaz de enfrentar o caos econômico, político, social, humano, ambiental no momento atual e pós-coronavírus. Mas, esse regime de uma "economia que mata" (Papa Francisco) continua respaldado pelos segmentos que não têm compromisso com a vida, a justiça, a solidariedade e a paz. Mas, têm muito dinheiro. E ainda definem o rumo das nossas vidas. Até quando?

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email