Cadeirada

Chegou, francês, no horário. Servi-lhe o vinho ansiando por aprovação. Não quis o tira-gosto. Bebeu meia taça. E, pretextando o horário da reserva, mencionou que deveríamos nos apressar. Em resumo, cagou para o vinho caríssimo e para os acepipes que eu havia preparado

Cadeirada
Cadeirada

Em Paris, há uns dez anos, por circunstâncias agora irrelevantes, fui convidado por um francês da elite, embora militante do Partido Socialista, para jantar. Passaria para me buscar.

Sabendo-o reputado apreciador de vinhos, caprichei. No Bon Marché comprei um naco de patê de fígado de pato e no cavista pedi um bom vinho. Não fui compreendido adequadamente. Trouxe-me sugestões de garrafas tão caras que teria que vender um rim. Sem querer passar recibo de minha inata, ancestral e atávica pão-durice, bufei para parecer afrancesado e perguntei por algo menos sofisticado. Adorei minha escolha da palavra. Foi a vez dele bufar. Perguntou-me quanto queria gastar, por um bom vinho, enfatizando o adjetivo esticando-lhe a vogal. Sou estrangeiro mesmo, sem-vergonha, e fingindo displicência informei, 80 euros. Valor absurdo, daria para comprar com esse valor uma dúzia dos que costumava beber. Bufou novamente, abriu um sorriso artificial e me trouxe uma garrafa que estava em oferta. De 122 por "apenas" 96 euros. Que vá.

Em casa arrumei as coisas, abri a garrafa para o vinho respirar, seguindo as orientações do somelier, cortei a baguette, os pepininhos em conserva, os frutos secos, arrumei os pratinhos e talheres.

Chegou, francês, no horário. Servi-lhe o vinho ansiando por aprovação. Não quis o tira-gosto. Bebeu meia taça. E, pretextando o horário da reserva, mencionou que deveríamos nos apressar. Em resumo, cagou para o vinho caríssimo e para os acepipes que eu havia preparado.

Recolhi as taças, arrolhei a garrafa, guardei os trecos de geladeira. Tinha uma hóspede, ainda na rua, mochileira, que passava por Paris naqueles dias. Não queria deixar bagunça.

Descreveu onde iríamos, Automóvel Club de Paris, no caminho. Era um prédio lindo, em pedra, na Place de la Concorde. Parecia um museu. Expunha-me minha ignorância ao falar sobre os pintores e sobre os retratados nas telas, molduras enormes, que ladeavam corredores amplos. Elevador com ascensorista, roupas com botões, luvas brancas.
No terceiro andar, restaurante. Os garçons chamavam-no pelo nome. Reverentes.

Entrada, prato principal, sobremesa e café. Tratamos do que motivara o convite. Ao final, me propôs uma visita ao resto. Amplas salas com mesas de sinuca, uma delas sem caçapas. Salas de leitura, vazias àquelas horas, mesas de carteado. Tratava-se de um clube masculino, explicou, muito seleto. Um lugar para ficar em silêncio, ler os jornais do dia e, claro, sorriso maroto, falar de negócios e conspirar.

Na saída encontrou com dois outros sócios. Falaram mal do Sarkozy, presidente à época, e deitaram falação sobre os sindicatos e o perigo comunista. Uma gente nojenta.

Hoje lendo sobre a cadeirada em um fascista no Rio de Janeiro lembrei-me dessa história. Compreendo o agressor. É dos meus. Faltou pouco para que tivesse reação semelhante aquela vez.

Nos despedimos, combinamos outro encontro para dali a alguns dias e preferi voltar caminhando para pensar no que havia vivenciado. Era um mundo estranho o daquela gente. Muito estranho.

Chegando em casa tomaria aquele vinho maravilhoso ignorado pelo francês. Causo pensado, bem-intencionado.

Encontrei minha hóspede lavando a louça. Contou-me seu dia, batendo pernas, e que jantara ali mesmo. Um sanduíche. Ah, e tomei aquele vinho que estava aberto, não queria incomodar, nem abrir garrafas fechadas. Fiz bem?

Pela segunda vez em poucas horas tive vontade de dar uma cadeirada em alguém.

Fez bem.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247